venda do novo banco

Finanças garantem conclusão de venda do Novo Banco “nos próximos dias”

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Decisão de Bruxelas é "etapa muito importante para a estabilidade do sistema financeiro e para a dinamização da economia portuguesa"

O Ministério das Finanças espera que o processo de venda do Novo Banco pelo fundo de resolução ao fundo de investimento Lone Star esteja concluído nos próximos dias. Esta é a nota dada pelo gabinete de Mário Centeno depois de a Comissão Europeia ter aprovado esta quarta-feira o plano de reestruturação da instituição liderada por António Ramalho.

“Com esta determinação, o processo de alienação do Novo Banco pelo Fundo de Resolução à Lone Star estará concluído nos próximos dias”, refere a nota enviada às redações.

O gabinete de Mário Centeno destaca também que “a decisão da Comissão Europeia encerra mais uma etapa muito importante para a estabilidade do sistema financeiro e para a dinamização da economia portuguesa” e lembra que a “injeção de mil milhões de euros pela Lone Star, juntamente com o plano de reestruturação e as medidas aprovados pela Comissão, em conformidade com as regras da União Europeia em matéria de auxílio estatal, irão garantir a viabilidade a longo prazo do Novo Banco”.

A Comissão Europeia aprovou o plano de reestruturação e a ajuda de Portugal à venda do Novo Banco aos norte-americanos da Lone Star. O anúncio foi feito esta quarta-feira em comunicado.

Em março, foi assinado o contrato de promessa de compra e venda entre o Fundo de Resolução e o fundo norte-americano Lone Star, que prevê que o Novo Banco seja alienado em 75%, mantendo o Fundo de Resolução 25%.

A Lone Star não pagará qualquer preço, tendo acordado injetar 1.000 milhões de euros no Novo Banco para o capitalizar, dos quais 750 milhões entrarão quando o negócio for concretizado e os outros 250 milhões até 2020.

Já o Fundo de Resolução ficou com a responsabilidade de compensar o Novo Banco por perdas que venham a ser reconhecidas com os chamados ativos ‘tóxicos’ (crédito malparado e imobiliário) e alienações de operações não estratégicas, caso ponham em causa os rácios de capital da instituição, no máximo de 3,89 mil milhões de euros. Esta garantia levou já o BCP a pedir um esclarecimento na Justiça.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA

Governo reconhece progressões a 344 mil trabalhadores, pelo menos

Faria de Oliveira, presidente da APB

APB garante que bancos vão refletir Euribor negativa nos créditos à habitação

Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos. REUTERS/Leah Millis

Trump põe tudo na mesa. Parada na guerra com China sobe para 500 mil milhões

Outros conteúdos GMG
Finanças garantem conclusão de venda do Novo Banco “nos próximos dias”