banca

Fitch. Fusão entre Caixabank e Bankia pode levar a mais operações em Espanha

(PIERRE-PHILIPPE MARCOU / AFP)
(PIERRE-PHILIPPE MARCOU / AFP)

Fusão entre o CaixaBank e o Bankia poderá "desencadear uma nova onda de consolidação no setor bancário espanhol", diz agência de rating.

A agência de ‘rating’ Fitch considerou hoje que a possível fusão entre o Caixabank e o Bankia pode desencadear mais operações de consolidação no setor bancário espanhol.

Numa análise hoje divulgada, a Fitch diz que a fusão entre o CaixaBank e o Bankia poderá “desencadear uma nova onda de consolidação no setor bancário espanhol”, levando outros bancos a movimentações para ganharem escala e fortalecerem os seus negócios de modo a que consigam manter-se competitivos.

Segundo a agência de ‘rating’, se o negócio for avante levará a uma significativa mudança no panorama espanhol, com implicações para outros bancos, uma vez que a fusão criará um importante ‘fosso’ entre a nova entidade bancária e os outros dois maiores competidores, o Santander e o BBVA, em termos de quota do mercado doméstico.

A operação também criará um fosso significativo entre os três maiores bancos de Espanha e os restantes.

Ainda de acordo com a Fitch, a necessidade de consolidação bancária em Espanha (mas também em outros países europeus) não é nova, face à rentabilidade dos bancos sob pressão, às baixas taxas de juro, à reduzida procura de crédito, ao aumento dos custos regulatórios e à necessidade de os bancos investirem na digitalização.

A estes fatores somam-se agora dois novos, a crise desencadeada pela covid-19 e o facto de recentemente o Banco Central Europeu (BCE) ter sinalizado que poderá flexibilizar as condições das fusões, incluindo as relativas a rácios de capital.

Também hoje a agência de ‘rating’ DBRS divulgou uma análise sobre a fusão destes bancos espanhóis, considerando que seria positiva para a rentabilidade da nova entidade bancária, face à crise da covid-19 e ao contexto de baixas taxas de juro, desde logo porque há sinergias a criar, através de poupanças de custos e da economia de escala.

Segundo a DBRS, em 2018, 85% das agências do Bankia estavam em áreas onde também estava o Caixabank.

Além disso, a DBRS considerou também que o setor bancário espanhol ainda tem espaço para mais consolidações sem afetar a concorrência.

Na semana passada, o Bankia e o CaixaBank anunciaram ao mercado que estão a estudar uma possível fusão.

A fusão dos dois bancos daria origem a um grupo financeiro com ativos de mais de 650 mil milhões de euros (dois terços do Caixabank e um terço do Bankia), mas que apenas estaria presente em Espanha e Portugal.

Ao contrário do Santander e do BBVA, a entidade que resultará da fusão entre Caixabank e Bankia será sobretudo doméstica, sem o benefício da diversificação internacional.

O Caixabank (dono do português BPI) tem como maior acionista a Fundação La Caixa, com 40% do capital social. O Bankia é maioritariamente detido (62%) pelo Estado espanhol.

De acordo com a imprensa espanhola, a Fundação La Caixa (dona do CaixaBank) controlaria 30% do grupo resultante da fusão, enquanto o Estado reduziria a sua presença no Bankia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

dgs covid portugal coronavirus

Mais cinco mortos e 463 infetados por covid-19 em Portugal

Fitch. Fusão entre Caixabank e Bankia pode levar a mais operações em Espanha