Dívidas

Fundação Berardo: Demite-se administrador nomeado pelo Estado

museu-colecao-berardo-1900-1960-pop-art-img_3503-900

João Neves demitiu-se na semana passada depois da ministra da Cultura ter contrariado ordem do Tribunal.

Um dos representantes do Estado na administração da Fundação Berardo apresentou a sua demissão na semana passada, depois da ministra da Cultura ter contrariado uma ordem do Tribunal ao nomear o presidente do Centro Cultural de Belém (CCB) como guarda do arresto de obras da Fundação.

A notícia é avançada esta terça-feira pelo Jornal Económico, que adianta que João Neves alegou motivos pessoais para se demitir com efeitos imediatos.

De acordo com o jornal, a ministra Graça Fonseca nomeou unilateralmente Elísio Summavielle para guarda das cerca de mil obras de arte arrestadas no âmbito de um processo de tentativa de recuperação de dívidas a Joe Berardo. Daquelas obras, 862 integram o acordo de Berardo com o Estado para estarem em exposição no CCB.

O empresário madeirense acumula quase 1.000 milhões de euros de dívidas à Caixa Geral de Depósitos, Millennium bcp e Novo Banco.

João Neves tinha sido nomeado administrador da Fundação de Arte Moderna e Contemporânea – Coleção Berardo pelo anterior ministro da Cultura, Castro Menezes. Aquela Fundação gere o Museu Berardo e contava com dois representantes do Estado.

A Associação Coleção Berardo foi notificada da finalização do arresto de cerca de 2.200 obras de arte, incluindo 1.200 do jardim Bacalhôa Buddha Eden, no Bombarral, e na Aliança Underground Museum, museu nas caves Aliança-Vinhos de Portugal, em Aveiro, segundo avançou o mesmo jornal na passada sexta-feira.

A Associação manifestou a sua intenção de impugnar o arresto, noticiou a Lusa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Fundação Berardo: Demite-se administrador nomeado pelo Estado