Polémica Novo Banco

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.
Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que "é falso" que venda da participação do Novo banco na GNB Vida tenha sido feita a "gestor condenado por corrupção".

O Fundo de Resolução (FdR), que tinha de aprovar a venda da participação do Novo Banco na GNB Vida, diz que “que o processo foi competitivo e tendente a maximizar o valor do ativo, constatando-se que a proposta selecionada tinha sido a mais atrativa e adequada às condições de mercado em que a operação teve lugar”. E sublinha ainda que “é falso que a GNB Vida tenha sido adquirida por “um gestor condenado por corrupção”.

Em comunicado enviado às redações, o Fundo defende que “a concretização da venda da GNB Vida se mostrava, face aos cenários possíveis, como a solução que minimizava as perdas para o mecanismo de capitalização contingente, ao mesmo tempo que permitia dar cumprimento ao compromisso assumido pelo Estado junto da Comissão Europeia”.

A venda da seguradora tinha de ser concluída até 31 de dezembro de 2019 por exigência da Comissão Europeia, sublinha o FdR.

O Fundo, liderado por José Máximo dos Santos, diz que o processo de venda foi “aberto e competitivo e reflete, portanto, o valor de mercado, naquele momento, do ativo em causa”. E explica ainda que a sua análise focou-se nos “aspetos relativos à valorização dos ativos e à promoção das condições que assegurassem a maximização dos seus níveis de recuperação”.

O FdR diz que a avaliação da idoneidade do comprador compete à Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, e que “a transação apenas se concretizaria se merecesse também a aprovação da ASF”.

O Fundo sublinha que a compra foi feita pelos fundos Apax Partners, e que “é falso que a GNB Vida tenha sido adquirida por “um gestor condenado por corrupção”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

dgs covid portugal coronavirus

Mais cinco mortos e 463 infetados por covid-19 em Portugal

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”