Fundo de Resolução

Estado facilita pagamentos da banca e Fundo de Resolução garante cumprir

Maturidade do empréstimo dos contribuintes ao Fundo de Resolução passa a ser flexível para evitar que bancos paguem mais do que o previsto

O Fundo de Resolução (FR) garante que as alterações promovidas ao empréstimo que recebeu do Estado vão permitir-lhe “cumprir integralmente as suas obrigações” independentemente dos eventos positivos ou negativos que afetarem a sua atividade – leia-se mais contas a pagar do colapso do BES ou do Banif. Estas novas condições do empréstimo estatal serão ainda estendidas aos restantes empréstimos contraídos pelo FR.

A posição do FR surgiu pouco depois do Ministério das Finanças ter comunicado ter chegado a um acordo para alterar as condições de pagamento do empréstimo de 3,9 mil milhões de euros por parte dos bancos que fazem parte do Fundo de Resolução. Em causa a vontade em dar mais previsibilidade a estes pagamentos. Mas para conseguir-se isso, deu-se imprevisibilidade à maturidade do empréstimo.

Conforme explica o Fundo de Resolução em comunicado, “nos termos do entendimento obtido com o Ministério das Finanças, a maturidade do empréstimo será ajustada de forma a garantir que não será necessário proceder à cobrança de contribuições extraordinárias [aos bancos], independentemente das receitas ou das responsabilidades adicionais que o Fundo de Resolução possa vir a receber ou a pagar na sequência das medidas de resolução aplicadas ao BES e ao Banif”.

Ou seja, com a revisão deste empréstimo, e caso se venha a registar um aumento das responsabilidades perante o mesmo estica-se a maturidade do empréstimo de modo a que as tranches anuais a pagar pela banca permaneçam em valores equilibrados, isentando os bancos de avançar com contribuições extraordinárias para saldar o aumento das responsabilidades.

“Quaisquer aumentos ou reduções de responsabilidades decorrentes da materialização de contingências futuras, determinarão o ajustamento da maturidade dos empréstimos do Estado e dos bancos ao Fundo de Resolução, mantendo-se o esforço contributivo exigido ao setor bancário nos níveis atuais”, conforme explicaram as Finanças no seu comunicado.

Alteração garante sustentabilidade do FR

Segundo o Fundo de Resolução, esta alteração ao empréstimo de 3,9 mil milhões de euros deverá “ser estendida aos restantes empréstimos obtidos pelo Fundo de Resolução”, sendo que a revisão a que agora se procedeu ” permitirá a extensão dessa maturidade em termos que garantam a capacidade do Fundo de Resolução para cumprir integralmente as suas obrigações com base nas suas receitas regulares, e independentemente das contingências positivas ou negativas” a que se encontra exposto.

O FR aponta ainda que estas alterações vão de encontro à visão que a entidade já tinha “sobre o seu financiamento desde há longa data” e que permitem “assegurar a sustentabilidade financeira do Fundo
de Resolução, garantir o pagamento integral das suas responsabilidades e conferir estabilidade ao esforço contributivo que recai sobre o setor bancário, sem necessidade de serem cobradas contribuições extraordinárias”.

A alteração, e já segundo as Finanças, foi devidamente acordada com a Comissão Europeia e surge como mais “uma medida destinada a assegurar a estabilidade financeira e a favorecer o reforço da capitalização dos bancos portugueses”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Estado facilita pagamentos da banca e Fundo de Resolução garante cumprir