Fundo de Resolução

Fundo de Resolução vai prestar contas ao custo da renegociação de empréstimos

O presidente da Comissão Diretiva do Fundo de Resolução, Luís Máximo dos Santos, acompanhado pela presidente da  Comissão, Teresa Leal Coelho, durante a sua audiência na Comissão de Orçamento, Finanças. (MANUEL DE ALMEIDA / LUSA)
O presidente da Comissão Diretiva do Fundo de Resolução, Luís Máximo dos Santos, acompanhado pela presidente da Comissão, Teresa Leal Coelho, durante a sua audiência na Comissão de Orçamento, Finanças. (MANUEL DE ALMEIDA / LUSA)

UTAO vai fazer nas próximas semanas contas aos diferentes custos de cada versão dos empréstimos ao Fundo de Resolução

Luís Máximo dos Santos, presidente da Comissão Diretiva do Fundo de Resolução, garantiu esta quinta-feira aos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças que o fundo está a ultimar a recolha de dados sobre as alterações feitas aos empréstimos do Estado e dos bancos ao Fundo de Resolução, para que sejam feitas contas ao impacto dessas mudanças.

“Foi solicitado à UTAO [Unidade Técnica de Apoio Orçamental] que procedesse aos cálculos dos efeitos financeiros desta alteração. Estamos em via de enviar todos esses elementos”, apontou o presidente do FdR. A UTAO é uma unidade parlamentar que presta apoio aos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças, que deverá nas próximas semanas fazer as contas aos diferentes custos de cada versão que os empréstimos ao FdR já tiveram. Esta solicitação foi apresentada pelo PCP.

Máximo dos Santos foi muito questionado por António Leitão Amaro, do PSD, sobre as implicações financeiras da renegociação dos termos dos empréstimos, não tendo porém avançado com qualquer projeção ou número, lembrando que as novas condições dos empréstimos incluem a probabilidade de revisões periódicas dos juros cobrados. Conforme o governo já referiu sobre o tema, é através desta revisão periódica de juros que se tentará neutralizar quaisquer impactos negativos da renegociações.

“As contas não são tão simples quanto isso. Estamos a fazer esses cálculos todos para enviar à UTAO mas é preciso ponderação. Há elementos de dinamismo nos juros, que não permitem contas lineares”, sublinhou.

Ainda sobre o porquê da renegociação dos empréstimos, o líder do FdR apontou que o que se “pretendeu fazer foi assegurar a compatibilização de obrigações e perfil das receitas do FdR”. Com a renegociação, explicou, ficou salvaguardado que o Estado e os bancos que fizeram os empréstimos serão devidamente ressarcidos, ainda que “num período mais longo” e “com uma alteração de taxas de juro que se entendeu dever fazer”.

Detalhou ainda que os juros inicialmente cobrados estavam em linha com aqueles cobrados pela troika ao país, algo que entretanto já não corresponde à realidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Fundo de Resolução vai prestar contas ao custo da renegociação de empréstimos