banca

Fusão entre Deutsche Bank e Commerzbank à beira do colapso

REUTERS/Kai Pfaffenbach
REUTERS/Kai Pfaffenbach

Riscos da integração, custos de implementação e requisitos de capital tornam o negócio demasiado complexo, refere o Financial Times.

As negociações estarão prestes a terminar e não foi alcançado um acordo entre os dois gigantes da banca. O Deutsche Bank e o Commerzbank negociaram, durante seis semanas, os detalhes de uma fusão que iria criar uma instituição com ativos avaliados em 1,8 biliões de euros com cerca de 140 mil trabalhadores.

A histórica fusão fica pelo caminho pela complexidade da operação. De acordo com a Reuters, a Bloomberg e o Financial Times, que citam fontes ligadas ao processo, a integração seria “muito difícil de executar”, além dos elevados custos da reestruturação e requisitos adicionais de capital.

O falhanço das negociações obrigam o Deutsche Bank a encontrar um novo plano de recuperação – o quinto desde 2015 – para acalmar os acionistas que procuram maior retorno. Já para o Commerzbank – detido em 15% pelo governo federal alemão – a Bloomberg refere que uma aquisição por uma instituição estrangeira poderá ser a solução. De resto, o holandês ING e o italiano UniCredit já se posicionam como potenciais compradores.

Um negócio difícil

Desde que começaram as negociações entre os dois gigantes da banca, em meados de março, que a fusão teve grande oposição tanto de acionistas como dos trabalhadores. Os mais importantes acionistas, como a BlackRock, questionaram os benefícios do negócio.

Os dois gigantes bancários, tentam libertar-se das consequências de uma expansão agressiva pouco antes da crise financeira de 2008. O Deutsche Bank conseguiu ultrapassar a crise sem apoios diretos, o mesmo não aconteceu com o Commerzbank que foi alvo de resgate depois de adquirir o Dresdner Bank à seguradora Allianz em 2008, duas semanas antes do colapso do Lehman Brothers.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Fusão entre Deutsche Bank e Commerzbank à beira do colapso