banca

Gestão de imóveis do Novo Banco passa para empresa da Lone Star

O Novo Banco passou a gestão dos seus bens imobiliários, qualquer coisa como nove mil imóveis, para a gestão da Hudson Advisors, empresa com sede em Dallas, nos EUA, e chefiada por John Graykeno, o fundador e presidente da Lone Star.

A notícia é avançada esta sexta-feira pelo jornal Público, que destaca que o contrato de gestão prevê que “o património se mantenha registado no balanço do Novo Banco, sendo gerido e rentabilizado pelo veículo texano com vista à sua venda”. O que implica cobrança de comissões pelo trabalho prestado mas, também, em caso de venda posterior com mais-valias associadas.

A instituição bancária justifica que a Hudson Advisors foi contratada, na sequência da compra do Novo Banco pela Lone Star, para “monitorizar e apoiar o plano de recuperação do banco”, sendo que o contrato impede transações entre as empresas Lone Star e o Grupo Novo Banco, exceto no caso de contratos até um valor máximo de 7,5 milhões de euros. Sem entrar em pormenores, o Novo Banco confirma a existência de dois contratos com a Hudson Advisors, “um para a prestação de serviços de assistência e aconselhamento em matérias imobiliárias e outro de serviços gerais em matérias financeiras e estratégicas”.

Recorde-se que a Lone Star comprou, em outubro, 75% do Novo Banco. Não pagou qualquer valor por esta participação, mas injetou mil milhões de euros de capital. A rentabilização dos ativos imobiliários é a forma da Lone Star recuperar parte do que investiu.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Gestão de imóveis do Novo Banco passa para empresa da Lone Star