Governo quer substituir Nogueira Leite na Caixa por uma mulher

Esmeralda Dourado é um dos nomes falados
Esmeralda Dourado é um dos nomes falados

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) poderá vir a contar com uma
mulher na administração. O Dinheiro Vivo sabe que o acionista da
instituição financeira – o Estado – está a ponderar colocar uma
mulher na administração do banco para substituir o vice-presidente
cessante, António Nogueira Leite, que apresentou a sua demissão no
mês passado.

A decisão de colocar uma mulher na gestão da Caixa bem vista
pelo Ministro das Finanças, Vítor Gaspar e também apoiada pelo
primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

Esmeralda Dourado, Ana Tavares e Maria João Carioca são os três
nomes mais falados para substituir Nogueira Leite na Caixa, segundo
apurou o Dinheiro Vivo. No entanto, poderão ainda surgir outras
sugestões, sendo expectável que a escolha recaía sobre uma mulher
que esteja a dar carta e a distinguir-se na sua área e mercado.

Esmeralda Dourado, que é apontada como a preferida de Passos Coelho para assumir o cargo na Caixa, é licencida em Engenharia Química Industrial e
é, atualmente, presidente da Comissão Executiva da SAG Gest.

Anteriormente a esta função, foi Vice-Presidente do Citibank
Portugal, S.A., membro dos Conselhos de Administração do Banco
Fonsecas & Burnay, da União de Bancos Portugueses e do
Interbanco (actual Banco Santander Consumer Portugal, S.A.).

Paralelamente à sua actividade de gestora no Grupo SAG, além de
iniciativas empresariais por conta própria, tem ligação a algumas
Instituições com fins não lucrativos, desempenhando as funções
de Presidente do Conselho Fiscal da Fundação Luso Brasileira,
Presidente do Fórum de Administradores de Empresas e Membro do
Conselho Geral do ISCTE.

Ana Tavares, que está entre as eleitas do ministro das Finanças Vítor Gaspar, é country head no Bank of America/Merrill Lynch e
conta com uma vasta experiência na banca internacional.

Anteriormente trabalhou no Banco Nomura para onde foi após a
falência da Lehman Brothers. Aqui e no Bear Stearns foi responsável
pela área de securitizações. Foi também nesta área que
trabalhou, após a conclusão do Mestrado em Finanças na London
Business School, no Deutsche Bank.

Passou ainda pelo Citibank e pela JPMorgan, incluindo em Nova
Iorque. Licenciada em gestão pela Universidade Católica foi para
Londres em 1998, depois de uma breve passagem por Equity Research no
Banco Santander, em Lisboa.

Também Maria João Carioca é apontada como uma das possíveis
escolhas para a Caixa. Licenciado em economia pela Universidade
Nova de Lisboa, é atualmente membro do conselho executivo da SIBS
Pagamentos, entidade gestora da rede Multibanco.

A economista é ainda membro do conselho da Multicert – Serviços
de Certificação Electrónica, S.A. é
uma empresa portuguesa de certificação digital
detida a 40% pela SIBS, 20% pelos CTT, 20% pela INCM e
20% pela PT Prime, e que esteve envolvida na criação do cartão
de cidadão e do passaporte eletrónico português.

Maria João Carioca conta ainda no seu curriculum com uma passagem
pela Unicre, a empresa especializada na gestão e emissão de cartões
de pagamento e também pela consultora McKinsey & Company.

Apesar de, segundo a lei, António Nogueira Leite ter de
permanecer 30 dias no banco, ou seja, até 19 de janeiro, o
gestor apresentou um pedido para deixar funções até final de
2012. No entanto, o Dinheiro Vivo sabe que isso acabou por não
acontecer, ou seja, Nogueira Leite continuará vinculado à
Caixa por mais uma semana e meia.

Ainda sssim, o Dinheiro Vivo tentou contactar o gestor que
permaneceu incontactável.

Mesmo com a nomeação de um novo membro para substituir Nogueira
Leite os pelouros que lhe estavam atribuídos deverão ser alvo de
uma reorganização.

António Nogueira Leite tinha os pelouros do Planeamento,
Orçamento e Controlo, Gestão de Risco, Marketing, Comunicação
Comercial, Desenvolvimento Corporativo e Organizacional, Gabinete de
Estudos, Banca de Investimento e Capital de Risco.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Governo quer substituir Nogueira Leite na Caixa por uma mulher