crédito à habitação

Guerra dos spreads. Já há dois bancos a cobrar apenas 1%

06 habitacao

Bancos estão a reduzir as margens de lucro no crédito à habitação para ganhar clientes. BdP alerta para risco de aumento dos níveis de incumprimento.

Mais crédito e mais barato. Nos primeiros seis meses deste ano, a banca emprestou às famílias 4,9 mil milhões de euros para a compra de casa, o equivalente a 27,2 milhões de euros por dia. É o valor mais elevado desde a primeira metade de 2010, apesar dos “travões” à concessão de crédito a particulares criados pelo Banco de Portugal. E as instituições financeiras têm também vindo a esmagar as margens de lucro, já pressionadas pelas taxas de juro negativas e pela concorrência das fintechs, para ganhar clientes e negócio. Desde o início do ano, quase todos os bancos baixaram o spread mínimo. O último foi o Santander, que este mês anunciou um spread mínimo de 1% para os clientes Select, com maiores rendimentos, e para aqueles que têm cartão Mundo. Junta-se ao Bakinter, que era, até agora o único a oferecer um spread de 1%, ainda que também sujeito a determinadas condições.

“Esta é uma descida que tem vindo a acontecer de forma gradual, e que está em linha com o que se passa no mercado de crédito à habitação em outros países da Europa”, refere João Fernandes, economista da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco). “Obviamente, acaba por ser vantajoso para o consumidor e afasta-se da tendência de spreads na ordem dos 5%, 6% e mesmo 7% praticados durante a crise de 2008. Contudo, esta avidez pela necessidade de comercializar crédito deverá ser sempre acompanhada por uma política de concessão de crédito responsável, fundamentada numa correta avaliação de solvabilidade do cliente e da qualidade das garantias apresentadas”, alerta.

A plataforma ComparaJá.pt analisou, a pedido do Dinheiro Vivo, a evolução das ofertas das diferentes instituições para empréstimos com finalidade a aquisição de habitação própria e permanente. Todos os bancos reduziram o valor do spread mínimo nos últimos meses.

Além do Santander, desde maio, reduziram também as suas margens comerciais o Millenium bcp e o BPI. O primeiro passou de um spread mínimo de 1,25% para 1,1% e o segundo de 1,25% para 1,2%. No top 5 dos spreads mais baixos estão o Bakinter, Santander, Banco CTT, Crédito Agrícola e Millenium bcp, com margens a variar entre 1% e 1,1%.

Fonte: ComparaJá.pt

“Os spreads mínimos já estão muito baixos. É provável que no futuro próximo se assista a um ajuste nas margens máximas e que esta tendência se acabe por generalizar a toda a banca”, afirma o economista da Deco. Mas é pouco provável que, apesar desta guerra da concorrência, os spreads venham a baixar para os níveis antes da crise, a rondar os 0,5%.

“Para o consumidor, quanto menor for a taxa de juro (seja por via da redução do indexante – Euribor – seja por via da redução do spread) menos encargos com o crédito terá de suportar. Tudo isso acaba por gerar uma maior folga no orçamento da família, o que é naturalmente positivo”, salienta João Fernandes. “O reverso da medalha são as taxas praticadas em produtos de poupança que, com taxas de mercado tão reduzidas, acabam por ter uma remuneração igualmente muito reduzida (ou nula, em muitos casos)”, como acontece com os depósitos a prazo ou planos de poupança reforma.

E há riscos. No relatório de estabilidade, o Banco de Portugal avisa que “é importante que as instituições tenham particular cuidado na definição dos critérios de concessão de crédito”, uma vez que “continua a existir evidência, em termos agregados, de sobrevalorização no mercado imobiliário residencial desde a segunda metade de 2017”. O supervisor alerta que “a tentativa de aumentar o volume de crédito através da fixação de spreads de taxa de juro que não cubram o risco de crédito de maneira sustentável poderá resultar, no futuro, num maior nível de incumprimento.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Guerra dos spreads. Já há dois bancos a cobrar apenas 1%