Endividamento

Há 583 mil famílias com malparado às costas, valor mais baixo desde 2009

Fotografia: REUTERS/Bobby Yip
Fotografia: REUTERS/Bobby Yip

Apesar de total de famílias mal pagadores ter atingido novo mínimo histórico, montante médio do crédito vencido que estas acumulam tem vindo a crescer

No final do ano passado existiam 583 mil famílias residentes em Portugal com créditos vencidos às costas, o valor mais baixo desde pelo menos março de 2009, data a que remonta a série disponibilizada pelo Banco de Portugal. O anterior mínimo era de dezembro de 2009, mês em que 605,3 mil famílias tinham créditos vencidos.

O Banco de Portugal divulgou agora um novo conjunto de estatísticas sobre os créditos da banca, compilado com base na informação da Central de Responsabilidades de Crédito, avançando com dados que permitem calcular o total de famílias com créditos vencidos.

Segundo o BdP, no final de 2016 o segmento dos particulares acumulava 6,09 mil milhões de euros em empréstimos em incumprimento, valor que se concentrava em 13,25% das 4,4 milhões de famílias a quem a banca tem créditos concedidos. Um ano antes, o malparado dos particulares concentrava-se em 614 mil famílias, representativas de 14% dos 4,391 milhões de lares endividados.

De acordo com a série histórica disponibilizada pelo BdP, que começa em 2009 e chega a dezembro de 2016, nunca até este último mês houve menos de 600 mil famílias em incumprimento: o pico foi atingido em junho de 2012, quando se registavam 708 mil famílias nesta condição, valor que foi recuando desde então. Em setembro de 2016 eram já 606,8 mil famílias nesta situação, com o valor agora registado a marcar o novo mínimo.

Menos mas devem mais

Apesar da queda no total de famílias com créditos vencidos, os dados do BdP mostram que as famílias ainda em incumprimento acumulam cada vez mais malparado.

O banco central neste novo conjunto estatístico dividiu o crédito concedido às famílias em seis patamares, por montantes. Através de esta divisão é possível ver que grande parte das 583 mil famílias em incumprimento concentram-se no primeiro patamar, das dívidas até cinco mil euros.

No total, há 1,47 milhões de famílias com dívidas até cinco mil euros, das quais 240,2 mil (16,3%) estão em incumprimento com 243 milhões de euros de crédito vencido. Ou seja, cada família em incumprimento neste escalão tem mil euros, em média, de malparado. Em comparação, em dezembro de 2015, havia 248 mil famílias com 238 milhões de malparado, ou seja, uma média de 960 euros/família.

Mas é sobretudo nos patamares mais elevados de endividamento que se nota melhor o agravamento.

Segundo o BdP, no final de 2016 havia 640 mil famílias com dívidas superiores a 100 mil euros no país (14,5% do total). Deste universo, 75 mil estava em incumprimento: 64 mil tinham dívidas de 100 a 250 mil euros e 11 mil dívidas superiores a 250 mil euros.

No primeiro caso, das 64 mil famílias, o malparado total ascende a 1,85 mil milhões de euros, o que dá uma média de 29 mil euros de malparado por família em incumprimento: em dezembro de 2015 esta média era de 27 mil euros – e de 25 mil euros em dezembro de 2014.

Quanto às 11 mil famílias em incumprimento e com dívidas acima de 250 mil euros, estas estão em falta com 1,42 mil milhões de euros, o que atira a média de incumprimento por família para a casa dos 127,5 mil euros. Em dezembro de 2015, esta média era de 116 mil euros e, um ano antes, de 104 mil.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

Fotografia: Armando Babani/ EPA.

Sindicato do pessoal de voo lamenta “não atuação do Governo” na Ryanair

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Outros conteúdos GMG
Há 583 mil famílias com malparado às costas, valor mais baixo desde 2009