banca

Horta Osório: Com défices equilibrados, chegou hora do país afirmar recuperação

António Horta Osório, banqueiro, fotografado na sede da GlobalMedia Group, antes duma entrevista DV/TSF.

( Gustavo Bom / Global Imagens )
António Horta Osório, banqueiro, fotografado na sede da GlobalMedia Group, antes duma entrevista DV/TSF. ( Gustavo Bom / Global Imagens )

CEO do Lloyds defende agilização da venda de crédito malparado a empresas especializadas para libertar bancos

António Horta Osório, CEO do Lloyds Banking Group, defende que chegou a hora do país afirmar de vez a sua recuperação, dadas as boas condições externas que enquadram a economia mas também fruto do esforço de ajustamento dos últimos anos.

“O país registou progressos notáveis, tem o défice externo equilibrado e o défice público relativamente equilibrado. Mas ainda precisa de reduzir a dívida, com as apostas certas, e tomando decisões a nível do futuro da população”, apontou no seu discurso durante um almoço promovido pela Câmara de Comércio de Lisboa, esta tarde.

O peso da dívida, não só pública mas a total do país, deve ser o grande foco para os próximos anos. Só assim se resolve o maior obstáculo ao crescimento, defendeu.

“Devíamos ter um plano, de toda a sociedade, a médio-prazo para baixar o endividamento. Sem isso, qualquer sobressalto coloca-nos em posição muito difícil, que os portugueses não vão querer voltar a passar.” E este plano é especialmente urgente já que a hora da recuperar é agora, apontou.

Além dos défices equilibrados, a própria conjuntura internacional, de crescimento global um pouco mais acelerado que nos últimos anos, vai favorecer “uma pequena economia aberta como a portuguesa”.

“A economia global vai crescer mais nos próximos anos, a conjuntura é muito favorável”, reforçou. “Mas o problema da dívida atrasa-nos. A conjuntura vai continuar favorável nos próximos anos, temos que aproveitar isto para por a casa em ordem nos próximos 3/5 anos e fazer as reformas e as políticas necessárias para subir o nível de vida do país.”

E não se pense que a dívida só se resolve por renegociações ou reestruturações da mesma. Nada disso. Os irlandeses mostraram precisamente o contrário, destacou Horta Osório.

“A Irlanda chegou a níveis de dívida, pública e total, mais elevados que Portugal durante a crise. E conseguiu reduzi-los de forma rápida: cortou 20 pontos à dívida total e baixou a dívida pública de 120% para 80%”, lembrou o banqueiro. “É preciso um esforço de todos para se viver de acordo com as possibilidades. Desde que haja vontade, é possível melhorar de uma posição de dívida elevada.”

Para que tal evolução seja mais célere também o setor bancário deve estar mais saudável. E tal como o país, também aqui há um caminho a ser feito mas que é preciso aprofundar, nomeadamente no que toca ao malparado.

“O setor português teve melhorias importantes, com o aumento de capital do BCP e da CGD, e a tomada do BPI pelo CaixaBank”, destacou. “Do ponto de vista da solvência melhorou muito mas falta tratar do malparado.” E defendeu a agilização da venda destes créditos a empresas especializadas.

“Os NPL [non performing loans, ou créditos não produtivos] devem ser reciclados, vendidos a quem sabe gerir deles”, libertando recursos dos bancos para estes emprestarem a quem precisa e tem projetos merecedores, defendeu.

Em termos de política de médio-prazo, Horta Osório recomendou que alem da redução da dívida, Portugal deve continuar a apostar na educação e na atração de investimento estrangeiro mas sem esquecer a problemática da população. Se a mundial está a crescer, a portuguesa está a cair e isso é mau para o país.

“Dentro de alguns anos teremos dois reformados por cada três trabalhadores e isso tem enorme impacto ao nível de custos de saúde e segurança social”, disse. Defende por isso uma política ativa de atração de imigrantes, “à imagem do Canadá ou Singapura”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça Pequim e ordena às empresas: “saiam da China”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Horta Osório: Com défices equilibrados, chegou hora do país afirmar recuperação