cpi cgd

Inquérito à CGD: Relatório vai ser entregue à Procuradoria-Geral da República

Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos
Reuters

O relatório da II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e Gestão do Banco vai ser entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR), divulgou hoje o deputado relator João Almeida (CDS-PP).

Durante a apresentação das limitações, conclusões e recomendações do relatório preliminar da comissão parlamentar de inquérito, o deputado centrista disse que o documento “será enviado à Procuradoria-Geral da República”.

O deputado salientou que a comissão parlamentar teve “acesso a inquéritos que correm termos neste momento”, e que “o aprofundamento de algumas dessas matérias e outras poderão ter relevância criminal” que justificam o envio à PGR.

Neste sentido, o deputado saudou ainda o novo regime dos inquéritos parlamentares, que “permitiu muito mais acesso” a informação do que em outras comissões.

Durante a sua apresentação, João Almeida lamentou ainda não ter sido possível ouvir presencialmente o antigo vice-presidente da CGD António Maldonado Gonelha e a “impossibilidade total” de ouvir o antigo administrador do banco público Almerindo Marques.

Em termos de administração interna da Caixa, João Almeida referiu que “quando se introduziu o que se pretendia do ponto de vista da ‘governance’ [governança], [o objetivo] era controlar o controlo interno”, mas “o que se descobriu é que essa alteração […] era meramente formal”.

O deputado do CDS-PP referiu ainda que a maioria das perdas do banco público “teve origem nos anos do mandato da administração liderada por Carlos Santos Ferreira”, que incluía “Maldonado Gonelha, Armando Vara e Francisco Bandeira”, mencionando que tinham “interferência direta” nos dossiês não sendo os mesmos responsáveis pelos respetivos pelouros.

Tal como patente nas conclusões, João Almeida referiu que o Banco de Portugal fez uma “supervisão formal durante a esmagadora maioria do tempo analisado”, e que “o exercício de funções dos administradores [da CGD] e a segregação dos poderes passaram completamente ao lado da supervisão do Banco de Portugal”.

“Aquilo que vimos várias vezes é que o Banco de Portugal olhava para os níveis de liquidez mas não olhou para o que se passava no BCP”, disse João Almeida relativamente ao chamado ‘assalto’ ao banco privado, considerando que o supervisor apenas “escrevia cartas e respondia”.

O deputado criticou ainda aquilo a que chamou de “sucessão de despachos” na supervisão: “Havia alguém que fazia a análise de determinada questão, e a partir daí o facto desse processo passar vários níveis não se traduzia numa reavaliação do que tinha sido avaliado”.

Isto levou a que “o governador do Banco de Portugal dissesse que o pelouro da supervisão era do vice-governador, o vice-governador dissesse que era da respetiva direção, e os respetivos diretores dissessem que tinham feito fé nos técnicos que tinham feito a análise”.

“Era muito fácil aos supervisionados lidar com uma supervisão que a determinado nível não subia o nível de exigência”, uma vez que “o BdP ordenava que a Caixa corrigisse, a Caixa dizia que o critério não estava correto, o BdP respondia”, mas depois “não acontecia nada”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Inquérito à CGD: Relatório vai ser entregue à Procuradoria-Geral da República