Jardim Gonçalves: “Nada fiz que revele as infrações que me são imputadas”

Jardim Gonçalves recorre da condenação
Jardim Gonçalves recorre da condenação

“Nada fiz que revele as infrações que me são imputadas pela CMVM, nem a mim nem aos restantes arguidos. O que havia a fazer está feito e, por isso, não exigia a intervenção dos reguladores”, afirmou esta manhã o antigo presidente do BCP.

Na sua declaração final, Jardim Gonçalves adiantou que “não queríamos expor o banco. A atitude que tive foi a mesma que tive em muitos outros casos”.

“O banco encontrou a sua própria solução. Estou certo que o tribunal entenderá as minhas medidas e também a minha convição que se tivesse analisado as contas do banco com mais rigor e mais detalhe, a minha atitude e a solução tomada teria sido exatamente a mesma”, adiantou.

“O banco foi tomado de assalto e em 2007 um dos seus responsáveis decidiu levar este caso para servir de meio para fazer esse assalto. O banco optou por não se defender e já este caso já trouxe uma pesada punição. Perdeu o banco, os seus acionistas e perdemos nós”, acrescentou Jardim Gonçalves.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

CGD perdeu 1200 milhões em empréstimos de risco

Miguel Setas, presidente da EDP Brasil

EDP Brasil quer duplicar presença no país até 2020

Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Portugal não vai concorrer a vaga de topo no BCE, nem mexe na previsão do PIB

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Jardim Gonçalves: “Nada fiz que revele as infrações que me são imputadas”