Lesados do BES

Lesados que aderirem à solução recebem 30% do valor no segundo trimestre de 2017

Fotografia: Pedro Nunes/Lusa
Fotografia: Pedro Nunes/Lusa

Veículo proposto prevê reembolso de 30% já em maio do próximo ano e exige adesão de pelo menos 50% das aplicações e do valor total em causa

O governo apresentou esta tarde a solução encontrada para os cerca de 4000 particulares que compraram papel comercial do Grupo Espírito Santo, solução que coloca na mesa a possibilidade de estes lesados acederem já no segundo trimestre do próximo ano a 30% do valor do seu investimento.

No total, os cerca de 4000 lesados investiram perto de 434 milhões de euros num total de 2100 aplicações da Espírito Santo Financial e da Rioforte, aplicações que com o colapso do BES ficaram em risco de perda total.

A solução desenhada entre as autoridades portuguesas implica, todavia, a imposição de algumas perdas para os investidores a quem é dirigida. Os lesados que investiram até 500 mil euros, poderão receber até 75% do valor investido ou no máximo 250 mil euros. Já quem investiu mais de 500 mil euros, receberá apenas 50% do seu investimento – Ou seja, se investiu cem mil euros, receberá 75 mil euros; se investiu dois milhões de euros, receberá um milhão.

Os reembolsos previstos são por aplicação e não por cliente, pelo que aplicações com mais do que um titular receberão o mesmo que aquelas com um único titular.

Para que o veículo que vai ser criado para operacionalizar esta solução avance, a proposta agora colocada em cima da mesa terá que ser aceite pela maioria das aplicações visadas e do capital investido, ficando por isso ainda dependente deste apuramento – que deverá ocorrer no início do segundo trimestre.

Caso consiga os “50%+1” exigidos, a proposta prevê a entrega imediata de 30% do valor investido em papel comercial a cada uma das aplicações que aderiram à solução. Quanto ao valor remanescente por aplicação, este será pago em duas prestações de idêntico valor, uma em 2018 e outra em 2019.

No total, e caso todos os lesados aceitem a proposta, dos 484 milhões em causa, serão pagos 286 milhões.

António Costa, primeiro-ministro, assegurou que a solução não trará qualquer esforço financeiro adicional para os contribuintes.

“Uma bênção”, foi como Ricardo Ângelo, líder da associação dos Lesados, rotulou a solução hoje apresentada, elogiando todos os intervenientes nos trabalhos que levaram ao desenho da proposta. Ângelo fez questão de salientar o papel desempenhado pelo “extraordinário” Carlos Tavares, ex-presidente da CMVM, que, no entender dos lesados, “merece uma estátua”.

O Veículo

A solução debatida entre as autoridades e os representantes dos lesados prevê a constituição de um veículo que comprará os direitos detidos por cada um dos investidores que aceitarem a proposta, ficando com a responsabilidade de tentar recuperar todo o montante que foi investido.

Para ter verbas com que reembolsar os lesados, o Fundo criado para este efeito deverá contrair financiamento junto da banca – no imediato, e caso 100% dos lesados adiram, serão necessários perto de 86 milhões de euros para o pagamento da tranche de 30% prevista para maio de 2017.

Ao que tudo indica, os empréstimos contraídos pelo Fundo deverão ser garantidos pelo Estado.

Os passos e casos práticos

A solução agora colocada em cima da mesa deverá ser avaliada por todos os clientes lesados até ao final de março de 2017, correndo o período de adesão à proposta até ao final do mês seguinte, em abril de 2017. Caso a taxa de adesão mínima seja atingida, a primeira prestação (30% do investido) deve ser entregue logo em maio.

Até lá, será primeiro necessário criar o Fundo e assegurar-lhe o financiamento, garantido pelo Estado.

Prevendo pagamentos em três tranches – uma de 30% do valor investido e outras duas com o restante valor a receber de acordo com os limites previstos na solução -, os lesados que aderirem deverão aceder a 75% ou 50% do seu investimento até 2019.

Olhando agora para alguns exemplos práticos:

Se investiu cem mil euros, tem direito a um total de 75 mil euros (75% do investido). Neste caso, receberá 30% do investimento total (30 mil euros) em maio de 2017, ficando 45 mil euros por receber. Esta verba será repartida em duas tranches iguais, de 22,5 mil euros, saldadas em 2018 e 2019.

Se investiu 200 mil euros, tem direito a um total de 150 mil euros (75%). Neste caso receberá 60 mil euros no segundo trimestre do próximo ano, ficando 90 mil euros por entregar – 45 mil em 2018 e 45 mil em 2019.

Se investiu 450 mil euros, está limitado pelo teto de reembolso máximo para investimentos inferiores a 500 mil euros, ou seja, receberá no máximo 250 mil euros. No próximo ano terá acesso a 135 mil euros (30% do investido) e em 2018 e 2019 receberá 57,5 mil euros em cada ano.

Se investiu um milhão de euros, terá direito a 50% do valor investido. Desta forma, no próximo ano chegam 300 mil euros (30% do investido) e nos dois anos seguintes receberá cem mil euros em cada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Centeno dá bónus de 655.297 euros à administração da CGD

Outros conteúdos GMG
Lesados que aderirem à solução recebem 30% do valor no segundo trimestre de 2017