Despedimentos

Lloyds vai fechar 49 balcões no Reino Unido e eliminar 1.230 postos de trabalho

António Horta-Osório lidera o Lloyds
António Horta-Osório lidera o Lloyds

O Lloyds Banking Group informou hoje que vai fechar 49 balcões no Reino Unido e eliminar 1.230 postos de trabalho.

O Lloyds Banking Group informou hoje que vai fechar 49 balcões no Reino Unido e eliminar 1.230 postos de trabalho.

O banco inglês explicou em comunicado que espera “redistribuir” todos os colaboradores envolvidos no fecho de quase meia centena de balcões “sempre que seja possível”.

O grupo garantiu que simultaneamente está a criar 925 empregos noutras áreas de negócio, pelo que, insistiu, a saída total de trabalhadores “será de 305”.

Um porta-voz do Lloyds disse que esta ação se deve “ao aumento dos canais móveis e digitais” e às necessidades dos clientes no seu “dia a dia”.

“Esta iniciativa surge como consequência de o número de clientes que visita os nossos balcões se ter reduzido nos últimos anos”, disse a mesma fonte à agência espanhola EFE.

O Lloyds Banking Group obteve um lucro de 3.547 milhões de libras (4.022 milhões de euros) em 2017, mais 41% face ao ano anterior, depois de ter melhorado o serviço aos clientes, segundo informou a instituição em fevereiro passado.

O presidente executivo do Lloyds, António Horta-Osório, disse que 2017 foi “um ano importante para a instituição”, já que em maio o Governo britânico concluiu a venda das ações que o Estado detinha no grupo financeiro, o que permitiu que este voltasse a ser propriedade privada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Reformas. Governo quer normalizar pagamentos até ao final do ano

O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante um encontro com empresários a trabalhar em Angola, em Luanda, Angola. O primeiro-ministro termina esta terça-feira, uma visita oficial de dois dias a Angola, durante a qual procurará retomar rapidamente os níveis anteriores a 2014 nas relações económicas e normalizar os contactos bilaterais político-diplomáticos. (JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Costa: Portugal deseja mais empresas e investidores angolanos no país

Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman

Bruxelas suspeita de cartel alemão na tecnologia de emissões

Outros conteúdos GMG
Lloyds vai fechar 49 balcões no Reino Unido e eliminar 1.230 postos de trabalho