Resultados

Lucro consolidado do banco Credibom aumenta 6,3% para 36,9 milhões

90bc8b8abb47fc65d03e819d8085893d

O lucro consolidado do Credibom aumentou 6,3% em termos comparáveis, para 36,9 milhões de euros, em 2017 face a 2016

O lucro consolidado do Credibom aumentou 6,3% em termos comparáveis, para 36,9 milhões de euros, em 2017 face a 2016, reclamando aquele banco de crédito ao consumo a liderança no financiamento automóvel em Portugal.

Segundo o Relatório e Contas de 2017 do Credibom, hoje divulgado, o volume de crédito concedido a clientes, não considerando juros periodificados e encargos diferidos, atingiu praticamente os 1.407 milhões de euros, ascendendo o montante de financiamento automóvel no balanço do banco a 1.100 milhões de euros.

“O Banco Credibom manteve em 2017 a liderança no financiamento automóvel no mercado nacional, atingindo um volume de produção de 462,3 milhões de euros, correspondendo a um crescimento de 13,4% face ao ano 2016”, lê-se no documento.

Segundo refere, o crescimento do banco foi de 11,1% no segmento de veículos usados e de 23,4% no segmento de veículos novos, “reforçando as sinergias da parceria estabelecida com a Mazda Portugal”.

“Os números oficiais indicam que o banco tem 23,6% da quota de mercado neste segmento. O que significa que foi a instituição financeira que mais crédito concedeu para a aquisição de automóvel”, refere o Credibom, acrescentando que, “do total do financiamento concedido, 93% diz respeito a financiamento a particulares”.

No segmento do crédito Lar, o banco registou em 2017 um volume total de produção no valor de 37,7 milhões de euros, em linha com o ano anterior, mas que se traduziu num recuo da quota de mercado dos 2,7% de 2016 para 2,4% em 2017.

Já no que se refere ao crédito direto, o volume de produção aumentou no ano passado em 34,2 milhões de euros, para 108,4 milhões de euros, tendo este negócio registado uma quota global de mercado de 9,0%.

Quanto à atividade dos seguros, concentrada na proteção de créditos, é apontada no relatório e contas como “um dos principais eixos estratégicos de crescimento do Banco Credibom”, tendo este segmento mantido um crescimento em 2017, para um volume de prémios superior aos 17 milhões de euros.

No ano passado, a rentabilidade dos capitais próprios (ROE) do Credibom, excluindo dívidas subordinadas, foi de 23%, sendo que em base individual este indicador se fixou nos 23,9%, cerca de 0,1 pontos percentuais abaixo de 2016.

Em termos consolidados, o ativo líquido do banco atingiu 1.566 milhões de euros no ano passado, mais 13% (numa base comparável) do que em 2016, enquanto em base individual este indicador somou 2.205 milhões de euros, mais 9% do que no período homólogo.

No Relatório e Contas de 2017, o Credibom descreve o exercício passado como “mais um ano de aumento na produção evidente em todos os segmentos – automóvel, lar e crédito direto — reportando terem sido analisadas 174.454 propostas, das quais 66.479 relativas ao segmento Auto (38%), 31.328 ao segmento Lar (17%) e 77.647 ao Circuito Curto (45%).

Segundo se lê no documento, 95,7% da carteira de crédito de 1.407 milhões de euros do banco é suportada pelo produto de crédito clássico (1.346 milhões de euros desagregados em 1.082 milhões de euros de negócio auto e 263,8 milhões de euros de negócio lar e crédito pessoal).

Os restantes 4,3% de capital em dívida correspondem a 60,4 milhões de euros, desagregados em 4,9 milhões de euros de crédito ‘revolving’ (renovável), 14,9 milhões de euros de crédito ‘stock’ e 40,7 milhões de euros de ‘leasing’ e ALD.

Em 2017 o crédito vencido (superior a 90 dias) sobre o total da carteira do Credibom registou uma diminuição de 20,3% face a 2016, tendo a cobertura de provisões sido de 89,9%, mais 1,1 pontos percentuais do que no ano anterior.

A atuar no mercado nacional há 23 anos, o Credibom é detido a 100% pelo grupo Credit Agricole e emprega 375 pessoas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Lucro consolidado do banco Credibom aumenta 6,3% para 36,9 milhões