Resultados

Lucro da CGD sobe 46% para 282,5 milhões no primeiro semestre

Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos
(Orlando Almeida / Global Imagens)
Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (Orlando Almeida / Global Imagens)

O banco liderado por Paulo Macedo divulgou esta terça-feira as contas do primeiro semestre de 2019.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) registou um lucro líquido de 282,5 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, o que corresponde a um aumento de 46% face ao período homólogo de 2018.

A margem financeira estrita caiu 3,2%, em termos homólogos, para 564,6 milhões de euros, afetada pela conjuntura de pressão sobre as taxas de juro. O produto bancário melhorou 19,1 milhões de euros para 908,2 milhões de euros.

“Estes são resultados positivos, são resultados expressivos mas numa conjuntura muito difícil”, disse Paulo Macedo, presidente executivo da CGD na apresentação dos resultados, esta terça-feira.

O contributo da atividade doméstica para o lucro da CGD foi de 196,5 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, um valor mais alto do que o contributo de 118,7 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano passado.

No primeiro trimestre deste ano a CGD lucrou 126,1 milhões de euros, uma subida de 85% em relação ao mesmo período de 2018. A melhorar as contas do banco público estiveram a libertação de provisões e imparidades, o corte de custos e a maior faturação com comissões.

O banco estatal terminou o ano de 2018 com o melhor resultado desde 2007, com um lucro de 496 milhões de euros.

Paralelamente aos resultados, o banco anunciou que estima que terá de emitir dívida num valor de cerca de 2.000 milhões de euros até ao final de 2022, para cumprir requisitos regulatórios.

“Não deixa de ser mais um peso na nossa margem financeira”, disse José Brito, administrador da CGD, na mesma conferência de imprensa. “Vamos estar a emitir dívida que não precisamos para a nossa atividade comercial”, mas “para acrescer ao excesso de liquidez” que o banco já tem.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Lucro da CGD sobe 46% para 282,5 milhões no primeiro semestre