banca

Lucro do grupo Santander cai para 6515 milhões de euros em 2019

Santander

Santander Totta, em Portugal, contribuiu com 525 milhões de euros para o resultado do grupo espanhol em 2019.

O grupo bancário espanhol Santander fechou 2019 com um lucro de 6515 milhões de euros, menos 17% do que no ano anterior, tendo o Santander Totta, em Portugal, contribuído com 525 milhões de euros para o resultado.

Na informação que enviou hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, o grupo sublinha que o resultado foi alcançado depois do ajustamento do fundo de comércio no Reino Unido, devido ao “Brexit”, e dos custos de reestruturação levados a cabo em vários mercados, como o espanhol.

O Santander também realça que alcançou o seu maior “lucro atribuível” de sempre, 2.783 milhões de euros, no quarto trimestre, 35% superior ao do mesmo período do ano anterior.

A presidente do grupo bancário espanhol, Ana Botín, disse que os resultados de 2019 refletem o sucesso da estratégia do banco, o que lhe permitiu continuar “com um crescimento previsível, sustentável e equilibrado”.

De acordo com o relatório de resultados, o Santander alcançou receitas recorde de mais de 49.000 milhões de euros, 2% mais, graças ao crescimento das receitas dos clientes nas Américas, Santander CIB (Corporate and Investment Banking) e Wealth Management & Insurance (banca privada, gestão de ativos e seguros).

A rentabilidade do capital próprio tangível (ROTE – return on tangible equity) era de 11,8% no final de 2019, enquanto o rácio de eficiência atingiu os 47%.

Por outro lado, a taxa de crédito malparado foi reduzida em 41 pontos base ao longo do ano, para 3,32%.

Por área geográfica, a Europa contribuiu com 47% para o “lucro ordinário” do grupo, a América do Sul com 37% e a América do Norte com 16%.

O Brasil foi novamente o maior contribuinte, com 28% do “lucro total ordinário”, seguido pela Espanha (15%), Santander Consumer Finance (13%), Reino Unido (11%), México (9%) e EUA (7%).

“Em Portugal, o lucro ordinário aumentou 10%, para 525 milhões, graças a melhorias na eficiência e ao baixo custo do crédito”, afirma o grupo bancário espanhol.

O Santander também “reforçou a sua posição como o maior banco privado de Portugal”, com uma quota de mercado de cerca de 20% em empréstimos a empresas e hipotecas.

Ainda em Portugal, os empréstimos caíram 1%, enquanto os depósitos aumentaram 6%. Os custos desceram 3%, devido à revisão e simplificação dos processos internos e à otimização da rede de sucursais, informa o Santander.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Lucro do grupo Santander cai para 6515 milhões de euros em 2019