Resultados

Lucro do Santander Totta sobe 16% para 385 milhões até setembro

O presidente executivo do Banco Santander Totta, António Vieira Monteiro, intervém durante a divulgação dos resultados relativos ao 1.º semestre de 2018 do Santander Totta, Lisboa, 1 de agosto de 2018. MIGUEL A. LOPES/ LUSA
O presidente executivo do Banco Santander Totta, António Vieira Monteiro, intervém durante a divulgação dos resultados relativos ao 1.º semestre de 2018 do Santander Totta, Lisboa, 1 de agosto de 2018. MIGUEL A. LOPES/ LUSA

A margem financeira cresceu 26,9% para 654,8 milhões de euros entre janeiro e setembro.

O Santander Totta registou um lucro líquido de 385 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2018, um aumento de 16% comparando com igual período do ano passado.

A margem financeira cresceu 26,9% para 654,8 milhões de euros entre janeiro e setembro, o que ajudou o resultado líquido do banco, bem como a inversão das imparidades e provisões que tiveram um contributivo positivo no lucro de 10,5 milhões de euros.

“(O resultado) mostra a rentabilidade que esta instituição faz só no mercado doméstico”, afirmou António Vieira Monteiro, presidente executivo do banco, na conferência de apresentação dos resultados, esta quarta-feira.

O produto bancário cresceu 14,1% para 979 milhões de euros e as comissões líquidas subiram 11,4% para 277,3 milhões de euros.

Os recursos de clientes aumentaram 22% para 39,5 mil milhões de euros, com os depósitos a corresponder a 84% daquele montante, registando uma subida homóloga de 21%.

A carteira de crédito cresceu 17,1% para 41,3 mil milhões de euros.

O banco concluiu no dia 14 de outubro a integração tecnológica e operacional do Banco Popular.

O rácio de crédito malparado (non-performing exposure) situou-se em 4,8%, segundo o critério EBA (Autoridade Bancária Europeia).

O rácio de capital CET1 foi de 12,9%, “claramente acima dos requisitos mínimos exigidos pelo Banco Central Europeu”, destaca o banco em comunicado.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Lucro do Santander Totta sobe 16% para 385 milhões até setembro