Lucros do Banco Finantia recuam 82% no primeiro semestre

O Banco Finantia anunciou hoje que terminou o primeiro semestre do ano com um lucro líquido consolidado de 1 milhão de euros, uma redução de 82% face aos 5,5 milhões de euros registados em igual período do ano passado.

Em comunicado hoje enviado, a instituição financeira liderada por António Guerreiro revela que os depósitos de clientes aumentaram substancialmente, para 440,8 milhões de euros, face 243,1 milhões homólogos, refletindo “um significativo alargamento da base de clientes do Banco Finantia e o fortalecimento da presença da sua Banca Privada, quer em Portugal quer em Espanha (Banco Finantia Sofinloc)”.

O rácio de crédito (excluindo crédito securitizado) sobre depósitos de clientes, situou-se nos 38% face aos 73% no ano anterior.

O produto bancário antes de resultados de operações financeiras reduziu-se em 36% para 38,1 milhões de euros, contra os 59,9 milhões de euros no mesmo período do ano anterior. A redução, segundo o banco, ficou “a dever-se em grande parte ao aumento do custo de fundos no contexto da turbulência financeira internacional e das campanhas de captação de novos depósitos”.

Já os custos operacionais registaram o valor de 12 milhões de euros, uma redução de 17% face aos 14,5 milhões de euros do ano anterior.

Os activos consolidados situaram-se nos 2370 milhões de euros, uma diminuição de 265 milhões de euros relativamente ao ano anterior, “em prossecução da estratégia de desalavancagem do Banco Finantia”.

O banco reforçou a sua solidez financeira, com o ‘core tier I’ a aumentar para 10,6% (10,1% em Junho de 2011) e o rácio de solvabilidade (CAD) a subir para 15,5% (14,8% em Junho de 2011), um dos mais elevados do sector, de acordo com as regras de Basileia II.

O Banco Finantia relembra que “liquidou em maio o empréstimo obrigacionista com garantia do Estado no montante de 100 milhões de euros que havia contraído três anos antes, no contexto da crise financeira pós-Lehman”.

“O Banco Finantia tem conseguido enfrentar com sucesso os desafios que se lhe apresentam, graças a uma atitude defensiva de desalavancagem do balanço e de controlo/redução de custos. Simultaneamente tem-se focado nos serviços e em actividades de Banca Privada, Assessoria Financeira, colocação e venda de produtos de Renda Fixa e de Trade Finance e comercialização de seguros”, acrescenta o documento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão. ma Assembleia da República. 
(JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Governo volta a negociar aumentos de 2020 com funcionários públicos

Greve escola função pública

Último ano da geringonça foi o de maior contestação na função pública

Lucros do Banco Finantia recuam 82% no primeiro semestre