BCP

BCP regista prejuízos de 197,3 milhões no semestre

No primeiro semestre, o BCP registou um resultado líquido negativo de 197,3 milhões, o que compara com 240,7 milhões negativos, em termos homólogos.

As previsões dos analistas apontavam para um valor entre os 40 e os 44 milhões de euros, no primeiro semestre de 2016, contra 240,7 milhões de prejuízos no final de junho do ano passado.

O banco explica, porém, que o resultado sem itens não habituais teria sido positivo, de 56,2 milhões de euros. No primeiro semestre de 2015, os resultados sem itens habituais também foram positivos, mas menores – um lucro de 21,2 milhões de euros.

No comunicado divulgado há minutos, o BCP aponta como itens não recorrentes as seguintes situações: ganhos na operação Visa, mais valias em dívida pública portuguesa, desvalorização de fundos de restruturação empresarial e imparidades de crédito (reforço da cobertura).

Só em imparidades, a instituição avançou, neste semestre, com 211,5 milhões de euros. O impacto de todas estas operações nos resultados líquidos foi, segundo o banco, negativo em 438 milhões de euros.

Ao nível da conta de resultados, a margem financeira teve um contributo positivo, enquanto as comissões registaram um impacto negativo.

Resultados do BCP. Página da documentação divulgada pelo banco.

Resultados do BCP. Página da documentação divulgada pelo banco.

A redução de custos prossegue, como em todos os bancos, com uma redução de 5,3% nos operacionais.

Ao nível do negócio, os recursos de clientes foram, no final de junho deste ano, 62,8 mil milhões de euros, o que se traduziu numa descida de 0,7% face ao período homólogo.

Também o crédito concedido bruto registou uma evolução negativa, ou seja, uma queda de 5,7%. No primeiro semestre de 2016, esta rubrica fixava-se em 52,9 mil milhões de euros.

O BCP explica nesta página a evolução do crédito.

BCP 2015

Leia aqui o comunicado com a divulgação dos resultados semestrais do BCP, o maior banco privado português, transmitido através do site da CMVM.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

BCP regista prejuízos de 197,3 milhões no semestre