Resultados

Lucros do Lloyds disparam 163% em 2016

Fotografia: João Girão/Global Imagens
Fotografia: João Girão/Global Imagens

O lucro antes de impostos foi o mais elevado dos últimos dez anos.

O banco britânico Lloyds, liderado pelo português António Horta-Osório, obteve um lucro líquido de 2,51 mil milhões de libras (2,94 mil milhões de euros) em 2016. Um aumento de 163% face aos 956 milhões de libras (1126 milhões de euros) registados no ano anterior. As contas anuais do banco foram publicadas esta quarta-feira.

“Tivemos um desempenho financeiro forte em 2016 e continuamos a fazer bons progressos em direção às nossas prioridades estratégicas”, sublinha Horta-Osório em comunicado.

O lucro antes de impostos foi o mais elevado dos últimos dez anos. O valor mais do que duplicou para os 4,2 mil milhões de libras, cerca de 4,94 mil milhões de euros, face aos 1644 milhões de libras de 2015. A redução de custos operacionais e a queda das provisões suportou os bons resultados.

“Somos um banco simples, de baixo risco e focado no mercado britânico, e estamos comprometidos e bem posicionados para ajudar o Reino Unido a prosperar e a tornar-se no melhor banco para os clientes e acionistas”, destacou o presidente do Lloyds.

O banco propôs o pagamento de um dividendo de 2,55 pence por ação, 13% superior ao do ano passado, e um dividendo extraordinário de 0,5 pence.

O estado britânico detém por esta altura apenas 5% do banco, sendo que o objetivo passa por fazer com que o Lloyds volte a ser totalmente privado já este ano. No auge da crise financeira, o Estado britânico adquiriu 43% do banco por 20,3 mil milhões de libras, cerca de 23,9 mil milhões de euros.

As ações do Lloyds estão a subir 2,5% para 69,27 pence.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE espera devolução de 74,4 milhões de euros por privados

(João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

Clientes com mais de 10 mil euros no BCP começam a pagar comissão

António Costa, primeiro-ministro (E), e João Leão, ministro das Finanças (D). Fotografia: EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Rácio da dívida furou valor mais alto de sempre em junho: 133%

Lucros do Lloyds disparam 163% em 2016