Economia

Macau quer captar serviços financeiros nas relações entre China e Portugal

Secretário para a Economia e Finanças do Governo de Macau, Lionel Leong (Macau News/Macau Post Daily)
Secretário para a Economia e Finanças do Governo de Macau, Lionel Leong (Macau News/Macau Post Daily)

As relações de investimento entre China e Portugal continuam a crescer. Macau quer que passem mais pelos bancos da região.

O responsável da área de Economia e Finanças do governo de Macau, Lionel Leong, visita Portugal a partir de quarta-feira. Com ele, vem uma delegação de 60 dirigentes e empresários. A região administrativa especial chinesa quer passar a ter um papel mais relevante nas transações financeiras que suportam os fluxos de investimento entre China e Portugal.

Até aqui, são mais de 9 mil milhões de euros de investimento direto no país, que poderão duplicar caso a recente oferta da China Three Gorges sobre a EDP venha a ser bem-sucedida.

Os governos de Pequim e Lisboa, que no próximo ano celebram 40 anos de relações diplomáticas, querem reforçar a ligação, o que poderá trazer mais investimentos para sectores como portos ou indústria automóvel.

Macau, com um regime económico de mercado e uma história de mediação entre China e Portugal, quer captar parte do negócio para os seus bancos – onde se contam dependências de instituições da China e de Portugal como o Banco da China e a Caixa Geral de Depósitos. Lionel Leong afirma que as apostas são feitas na liquidação de transações na moeda chinesa, no leasing para financiar equipamentos usados na construção, e também no wealth management.

Quais os frutos que espera que nasçam a partir desta visita? E quão importante é ela para Macau?

Espero que a visita ajude a promover a construção de uma plataforma de contacto entre a China e Portugal, especialmente uma ligada a serviços financeiros. Espero espalhar mais conhecimento sobre as vantagens de Macau nesta área, e incentivar à participação na criação de um Centro de Liquidação em Renminbi para Países de Língua Portuguesa. Como tal, é necessário que sejam desenvolvidos serviços financeiros caracteristicamente de Macau, como locação financeira e gestão de fortunas, para que seja estabelecida uma cooperação mais forte. Este encontro servirá também para a assinatura de vários documentos ligados à cooperação por parte de empresas e instituições de Macau. A viagem irá ainda servir como lançamento desses mesmos projetos. Estes projetos irão contribuir para a consolidação da função de Macau como plataforma de contacto entre a China e Portugal.

Entende que Macau tem a possibilidade de se tornar num centro financeiro de ligação entre a China e países lusófonos. Durante esta visita, e a curto prazo, que passos planeia dar rumo a este objetivo?

Desde agosto de 2015 que o Banco da China (sucursal de Macau) tem autorização para realizar serviços de liquidação de renminbi em trocas comercias de produtos e serviços com bancos de países lusófonos. Mais tarde, em março de 2016, com o lançamento do sistema de liquidação de renminbi em tempo real, foi estabelecida uma base sólida para o desenvolvimento deste centro de liquidação em renminbi para países de língua portuguesa. Recentemente, como forma de promover este papel da região, a Autoridade Monetária de Macau, através da Associação de Bancos, incentivou a que bancos chineses e portugueses em Macau, além de desenvolverem uma ligação mais próxima com os seus clientes, procurassem também a consolidação de negócios entre a China e Portugal em que estão envolvidas sucursais de bancos chineses no território. Tal coordenação, juntamente com o centro de liquidação, irá ajudar a reforçar a liquidez do renminbi no mercado local. Para que isto seja devidamente implementado, a Autoridade Monetária de Macau entrou em janeiro deste ano em contacto com o Banco de Portugal, a Caixa Geral de Depósitos e a Associação Portuguesa de Bancos, apresentando às mesmas a atual situação económica de Macau, as novas políticas financeiras, e discutindo possibilidades de uma futura colaboração.

Em que é que isto se pode traduzir no futuro?

A longo prazo, com base no facto de o renminbi estar incluído nos Direitos Especiais de Saque do Fundo Monetário Internacional, espera-se que bancos centrais e investidores aumentem as suas reservas de renminbi. Desta forma, o Governo de Macau irá promover ativamente a participação de bancos centrais de países lusófonos e de grandes instituições financeiras em serviços de moeda chinesa. Por um lado, esta participação poderá satisfazer as necessidades de cooperação económica e comercial entre a China e países lusófonos. Por outro, poderá reforçar ainda a extensão da indústria financeira de Macau, consolidando ainda mais a posição da região como plataforma de serviços financeiros entre a China e países lusófonos. A vice-ministra do Comércio da República Popular da China, Gao Yan, disse recentemente em Macau que irá continuar a ser promovido um reforço de laços entre a região e os países lusófonos. Irá também ser cada vez mais incentivado que Macau sirva como ponte entre estes países e a iniciativa Faixa e Rota, fazendo com que estes sejam também participantes e beneficiários deste projeto. Desta forma, a iniciativa Faixa e Rota e Macau como plataforma de comércio sino-lusófono serão o foco principal desta visita e do nosso trabalho futuro.

Várias vozes têm sugerido que Macau se transforme num centro de arbitragem comercial entre a China e países lusófonos. Concorda? Que medidas tem o Governo em mente para que Macau assuma este papel?

Para promover Macau como centro de arbitragem comercial sino-lusófona, o governo da região está neste momento a aperfeiçoar gradualmente as suas leis e regulamentos, para que seja apresentado um sistema relativamente simples e internacional de arbitragem. A proposta de Lei da Arbitragem de Macau foi já finalizada em maio, estando neste momento à espera de aprovação pela Assembleia Legislativa. O Governo está ainda a promover a mesma finalidade através de outros canais. Um deles teve lugar em outubro do ano passado, quando o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau organizou a Feira Internacional de Macau e um seminário sobre a resolução de disputas nas áreas económica e de investimento entre a China e os países de língua portuguesa. Este ano irão ser também organizados eventos comerciais do género.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Portugal recebeu mais de 18 milhões de turistas até agosto

(Gerardo Santos / Global Imagens)

Portugal recebeu mais de 18 milhões de turistas até agosto

TVI-930x594

CMVM a analisar pedido de registo de OPA à Media Capital

Outros conteúdos GMG
Macau quer captar serviços financeiros nas relações entre China e Portugal