Economia

Macau quer captar serviços financeiros nas relações entre China e Portugal

Secretário para a Economia e Finanças do Governo de Macau, Lionel Leong (Macau News/Macau Post Daily)
Secretário para a Economia e Finanças do Governo de Macau, Lionel Leong (Macau News/Macau Post Daily)

As relações de investimento entre China e Portugal continuam a crescer. Macau quer que passem mais pelos bancos da região.

O responsável da área de Economia e Finanças do governo de Macau, Lionel Leong, visita Portugal a partir de quarta-feira. Com ele, vem uma delegação de 60 dirigentes e empresários. A região administrativa especial chinesa quer passar a ter um papel mais relevante nas transações financeiras que suportam os fluxos de investimento entre China e Portugal.

Até aqui, são mais de 9 mil milhões de euros de investimento direto no país, que poderão duplicar caso a recente oferta da China Three Gorges sobre a EDP venha a ser bem-sucedida.

Os governos de Pequim e Lisboa, que no próximo ano celebram 40 anos de relações diplomáticas, querem reforçar a ligação, o que poderá trazer mais investimentos para sectores como portos ou indústria automóvel.

Macau, com um regime económico de mercado e uma história de mediação entre China e Portugal, quer captar parte do negócio para os seus bancos – onde se contam dependências de instituições da China e de Portugal como o Banco da China e a Caixa Geral de Depósitos. Lionel Leong afirma que as apostas são feitas na liquidação de transações na moeda chinesa, no leasing para financiar equipamentos usados na construção, e também no wealth management.

Quais os frutos que espera que nasçam a partir desta visita? E quão importante é ela para Macau?

Espero que a visita ajude a promover a construção de uma plataforma de contacto entre a China e Portugal, especialmente uma ligada a serviços financeiros. Espero espalhar mais conhecimento sobre as vantagens de Macau nesta área, e incentivar à participação na criação de um Centro de Liquidação em Renminbi para Países de Língua Portuguesa. Como tal, é necessário que sejam desenvolvidos serviços financeiros caracteristicamente de Macau, como locação financeira e gestão de fortunas, para que seja estabelecida uma cooperação mais forte. Este encontro servirá também para a assinatura de vários documentos ligados à cooperação por parte de empresas e instituições de Macau. A viagem irá ainda servir como lançamento desses mesmos projetos. Estes projetos irão contribuir para a consolidação da função de Macau como plataforma de contacto entre a China e Portugal.

Entende que Macau tem a possibilidade de se tornar num centro financeiro de ligação entre a China e países lusófonos. Durante esta visita, e a curto prazo, que passos planeia dar rumo a este objetivo?

Desde agosto de 2015 que o Banco da China (sucursal de Macau) tem autorização para realizar serviços de liquidação de renminbi em trocas comercias de produtos e serviços com bancos de países lusófonos. Mais tarde, em março de 2016, com o lançamento do sistema de liquidação de renminbi em tempo real, foi estabelecida uma base sólida para o desenvolvimento deste centro de liquidação em renminbi para países de língua portuguesa. Recentemente, como forma de promover este papel da região, a Autoridade Monetária de Macau, através da Associação de Bancos, incentivou a que bancos chineses e portugueses em Macau, além de desenvolverem uma ligação mais próxima com os seus clientes, procurassem também a consolidação de negócios entre a China e Portugal em que estão envolvidas sucursais de bancos chineses no território. Tal coordenação, juntamente com o centro de liquidação, irá ajudar a reforçar a liquidez do renminbi no mercado local. Para que isto seja devidamente implementado, a Autoridade Monetária de Macau entrou em janeiro deste ano em contacto com o Banco de Portugal, a Caixa Geral de Depósitos e a Associação Portuguesa de Bancos, apresentando às mesmas a atual situação económica de Macau, as novas políticas financeiras, e discutindo possibilidades de uma futura colaboração.

Em que é que isto se pode traduzir no futuro?

A longo prazo, com base no facto de o renminbi estar incluído nos Direitos Especiais de Saque do Fundo Monetário Internacional, espera-se que bancos centrais e investidores aumentem as suas reservas de renminbi. Desta forma, o Governo de Macau irá promover ativamente a participação de bancos centrais de países lusófonos e de grandes instituições financeiras em serviços de moeda chinesa. Por um lado, esta participação poderá satisfazer as necessidades de cooperação económica e comercial entre a China e países lusófonos. Por outro, poderá reforçar ainda a extensão da indústria financeira de Macau, consolidando ainda mais a posição da região como plataforma de serviços financeiros entre a China e países lusófonos. A vice-ministra do Comércio da República Popular da China, Gao Yan, disse recentemente em Macau que irá continuar a ser promovido um reforço de laços entre a região e os países lusófonos. Irá também ser cada vez mais incentivado que Macau sirva como ponte entre estes países e a iniciativa Faixa e Rota, fazendo com que estes sejam também participantes e beneficiários deste projeto. Desta forma, a iniciativa Faixa e Rota e Macau como plataforma de comércio sino-lusófono serão o foco principal desta visita e do nosso trabalho futuro.

Várias vozes têm sugerido que Macau se transforme num centro de arbitragem comercial entre a China e países lusófonos. Concorda? Que medidas tem o Governo em mente para que Macau assuma este papel?

Para promover Macau como centro de arbitragem comercial sino-lusófona, o governo da região está neste momento a aperfeiçoar gradualmente as suas leis e regulamentos, para que seja apresentado um sistema relativamente simples e internacional de arbitragem. A proposta de Lei da Arbitragem de Macau foi já finalizada em maio, estando neste momento à espera de aprovação pela Assembleia Legislativa. O Governo está ainda a promover a mesma finalidade através de outros canais. Um deles teve lugar em outubro do ano passado, quando o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau organizou a Feira Internacional de Macau e um seminário sobre a resolução de disputas nas áreas económica e de investimento entre a China e os países de língua portuguesa. Este ano irão ser também organizados eventos comerciais do género.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Macau quer captar serviços financeiros nas relações entre China e Portugal