bni

Mais um banco angolano em Portugal. BNI inicia hoje atividade

ng3453917

Inicia hoje atividade em Portugal mais um banco de capitais angolanos: o Banco BNI Europa. Segundo o comunicado emitido hoje, o Banco de Negócios Internacional (BNI), fundado por Mário Palhares, passará a disponibilizar, em Portugal, serviço de banca corporativa e banca privada, os dois segmentos em que especializa a sua atividade.

O BNI opera desde 2006 em Angola e dedica-se aos segmentos das grandes empresas e particulares de elevado redimento (BNI Prime) e da banca empresarial seletiva (BNI Prime Corporate). Atualmente o Banco BNI conta com 86 agências em 16 das 18 províncias angolanas e uma equipa de 770 colaboradores. No final do ano passado, a instituição contava com 127.667 clientes.

“O crescimento e consolidação do Banco BNI levou-nos a tomar a decisão natural de nos internacionalizarmos e fizemo-lo através do Banco BNI Europa, potenciando sinergias que apoiam uma gestão personalizada de ativos e património e que reforçam as já muito significativas transações comerciais entre Portugal e Angola”, refere Mário Palhares, fundador do banco angolano e presidente do conselho de administração do Banco BNI e do Banco BNI Europa.

Mário Palhares já foi administrador e vice-governador do Banco Nacional de Angola, fundador e presidente do Banco Africano de Investimentos e participou ainda na criação do Banco de Comércio e Indústria (BCI).

A comissão executiva do BNI Europa será liderada por Miguel Rola Costa, enquanto Osório de Castro, advogado português, é o presidente da mesa da assembleia geral da instituição.

Com um capital social de 25 milhões de euros e o angolano Banco BNI como acionista, o Banco BNI Europa opera a partir da sua sede no Marquês de Pombal, em Lisboa, e conta com o seu acionista de referência para alavancar a sua atividade, acrescenta o mesmo comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Mais um banco angolano em Portugal. BNI inicia hoje atividade