Presidente da República

Marcelo: “Não estou seguro se banqueiros e bancos aprenderam com a crise”

Marcelo Atenas
Presidential Palace/Paolo Giandotti/REUTERS

Marcelo Rebelo de Sousa falou no encontro informal do Grupo Arraiolos, que junta este ano 13 chefes de Estado da UE em Atenas

O Presidente da República disse hoje não estar seguro que os banqueiros e bancos da União Europeia (UE) tenham aprendido “as lições” da crise financeira, defendendo que os instrumentos europeus para o crescimento devem ter “os cidadãos em conta”.

“Não estou bem seguro que os nossos banqueiros e que os nossos sistemas bancários tenham entendido, na totalidade, as lições das recentes crises”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em Atenas.

Intervindo numa sessão de trabalho sobre como “Enfrentar com eficácia a crise económica e dos refugiados” no encontro informal do Grupo Arraiolos, que junta este ano 13 chefes de Estado da UE na capital grega, o chefe de Estado português vincou que é preciso “garantir que os instrumentos orientados para a convergência e para o crescimento têm os cidadãos em conta”.

“Isto significa desenvolver uma dimensão social da UE, mas também criar ferramentas para lidar com as mudanças na educação, na tecnologia, na ciência e no mercado de trabalho no futuro”, precisou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, importa também “garantir a sustentabilidade da convergência e isso significa acabar a união bancária e reforçar os instrumentos orçamentais para a convergência e competitividade”, nomeadamente criando o chamado orçamento para a zona euro.

“O trabalho em curso no Eurogrupo [sobre esse orçamento da zona euro] é muito bem-vindo e o acordo atingido na última reunião é um bom passo que precisa de ter continuidade”, referiu.

O chefe de Estado português mostrou-se também “com esperança” que, até final do ano, os Estados-membros da UE cheguem a acordo relativamente ao orçamento de longo prazo da União, que a seu ver deve “satisfazer as ambições europeias sem perder de vista a importância das políticas de coesão e agricultura”.

“Só se formos ambiciosos é que podemos responder aos desafios que vamos enfrentar”, vincou, recordando que “Portugal já manifestou disponibilidade em estar à altura desta ambição, nomeadamente com novos recursos”.

Já quanto às dificuldades no processo de negociações para o próximo quadro financeiro plurianual 2021-2027, Marcelo Rebelo de Sousa apontou que “alguns [líderes europeus] gostariam de adiar uma decisão para até ao final de 2020”. “Isso é um enorme erro, a meu ver”, considerou.

Na sua intervenção, o Presidente da República aludiu ainda ao processo de saída do Reino Unido da UE, o ‘Brexit’, adiantando que “é preciso trabalhar construtivamente com o Reino Unido, tanto garantindo solidariedade para com a Irlanda e com os cidadãos irlandeses neste período difícil, como explorando todas as vias para um possível acordo até ao último minuto”.

O 15.º encontro dos Presidentes da República sem poderes executivos da UE decorre este ano na capital grega, após ter sido realizado, pela primeira vez, na vila alentejana de Arraiolos em 2003, por iniciativa do então Presidente Jorge Sampaio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Marcelo: “Não estou seguro se banqueiros e bancos aprenderam com a crise”