Novo Banco

Marcelo quer “esclarecimento cabal por todos os meios” sobre Novo Banco

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (D), conversa com o primeiro-ministro, António Costa (E). MANUEL DE ALMEIDA/LUSA
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (D), conversa com o primeiro-ministro, António Costa (E). MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Os portugueses "têm todo o direito a saber" do destino "dos seus contributos financeiros", defendeu

O Presidente da República quer um “esclarecimento cabal” e “por todos os meios” sobre o que se passou no Novo Banco “num passado recente” e aguarda o resultado da auditoria adiado para este mês.

Marcelo Rebelo de Sousa assumiu estas posições em declarações aos jornalistas, à saída de uma visita à Sociedade Histórica da Independência de Portugal, em Lisboa, sem se querer pronunciar sobre se deve ou não haver uma investigação judicial sobre a gestão do Novo Banco.

“Isso aí entendo que é uma iniciativa própria das autoridades judiciais, nas quais o Presidente da República não se imiscui. O que eu digo é que é importante que haja o esclarecimento cabal, por todos os meios – seja jurisdicional, não seja jurisdicional, o que for entendido pelas autoridades competentes -, daquilo que se passou, nomeadamente num passado recente, nos anos mais próximos, que envolve, direta ou indiretamente, dinheiro dos portugueses”, afirmou.

Questionado se tem alguma informação sobre a conclusão da auditoria ao Novo Banco que cobre o período de 2000 até 2018, o chefe de Estado respondeu: “Não tenho informação nenhuma. Limito-me a verificar que estamos no dia 28 de julho e ela estava adiada para julho”.

Interrogado sobre a notícia hoje divulgada pelo jornal Público segundo a qual o Novo Banco “vendeu 13 mil imóveis a preço de saldo a fundo nas ilhas Caimão” e “emprestou o dinheiro a quem comprou”, cuja identidade se desconhece, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que tem vindo a insistir na “importância de uma auditoria a essa instituição financeira”.

O Presidente da República disse que tem repetido essa mensagem há “talvez dois anos, mais mês, menos mês”, focando-se não apenas no período da “transição e arranque do Novo Banco”, mas também no período “mais recente”.

“Eu continuo a entender que é fundamental o esclarecimento daquilo que veio a lume agora, mas de muitas outras interrogações importantes para o sistema financeiro, mas sobretudo, para o Estado democrático e para os portugueses”, acrescentou.

O chefe de Estado realçou que os portugueses, “direta ou indiretamente, através do Fundo de Resolução e da garantia ou garantias dadas pelo Estado, são chamados a participar naquilo que é um compromisso dentro do sistema financeiro” e defendeu que por isso “têm todo o direito a saber” do destino “dos seus contributos financeiros”.

Em março do ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa concordou o pedido de auditoria então anunciado pelo Governo às contas do Novo Banco e considerou que deveria abranger não só o período até à resolução o antigo Banco Espírito Santo (BES), em 2014, mas também no período pós-resolução.

Confrontado com o facto de o primeiro-ministro, António Costa, ter nessa altura excluído uma auditoria ao período após a resolução do BES com o argumento de que “não cabe ao Governo supervisionar o Banco de Portugal”, o chefe de Estado declarou: “A mim o que me perguntam é a minha opinião. A minha opinião mantém-se”.

O Novo Banco, que ficou com parte da atividade bancária do BES na sequência da resolução de 2014, foi vendido em 2017 ao fundo norte-americano Lone Star, que detém 75% do seu capital, sendo os restantes 25% propriedade do Fundo de Resolução bancário, entidade gerida pelo Banco de Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Marcelo quer “esclarecimento cabal por todos os meios” sobre Novo Banco