banca

Máximo dos Santos: “Imparidades do Novo Banco não são superiores à média”

Novo Banco.  Foto: Global Imagens
Novo Banco. Foto: Global Imagens Novo Banco

O presidente do Fundo de Resolução garante que o Novo Banco não está a fazer imparidades excessivas de forma a tirar partido de injeções de capital.

O vice-governador do Banco de Portugal, Luís Máximo dos Santos, garantiu que o Novo Banco não está a fazer imparidades excessivas. O presidente da comissão de acompanhamento, José Rodrigues de Jesus, reconheceu na semana passada que se questionava se o banco não estaria a fazer imparidades a mais, ou seja, a exagerar no valor que conta perder em ativos como crédito, por exemplo.

Mas Máximo dos Santos garante que, tendo em conta os dados de que o Banco de Portugal dispõe, “concluímos que as imparidades não são superiores à média do sistema bancário”. Ao abrigo do mecanismo de capital contingente acordado na venda do Novo Banco à Lone Star, a instituição financeira pode pedir dinheiro ao Fundo de Resolução, caso tenha perdas num determinado conjunto de ativos herdados ainda do antigo BES.

No máximo, o Novo Banco pode solicitar 3,89 mil milhões de euros até 2025. Em dois anos, o banco conta esgotar metade deste valor. Máximo dos Santos garante que está a utilizar todos os poderes para garantir que existe “boa-fé” na execução do contrato e rejeita que se estejam a constituir imparidades a mais para se limpar o banco à custa do Fundo de Resolução.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Máximo dos Santos: “Imparidades do Novo Banco não são superiores à média”