Metade dos emigrantes lesados aceita proposta do Novo Banco

Stock da Cunha
Stock da Cunha

O Novo Banco já chegou a acordo com mais de 3.500 dos cerca de 7.000 emigrantes lesados pela dívida sénior vendida aos balcões do BES. A adesão à solução delineada pelo banco liderado por Stock da Cunha, com o apoio do Banco de Portugal, poderá desbloquear os 720 milhões aplicados nos veículos Poupança Plus, Top Renda e o EuroAforro 8

De acordo com o Jornal de Notícias, o plano a que os clientes emigrantes agora aderiram propõe a recuperação praticamente na totalidade, ao fim de seis anos, do capital investido neste produtos. Mais concretamente, aos clientes é-lhes permitido recuperar até 90% do capital num período de seis anos. Ou, se pretender reaver o investimento de imediato, recuperar 60% do montante.

A fonte do Novo Banco mencionada pelo jornal adianta que a aprovação da maioria dos clientes lesados é necessária para que a proposta comercial possa ser aprovada nas assembleias gerais “em conjunto com o Crédit Suisse” e ser transformada na solução que tem sido apresentada aos emigrantes.

O Movimento dos Emigrantes Lesados (MEL) acredita que, apesar de a instituição já ter conseguido a concordância de mais de 50% dos casos, “tal não significa que se desbloqueiem os produtos”.

“É necessário que por cada um dos produtos haja mais de 51% de clientes que concordem com a proposta. Só assim se desbloqueiam os veículos e os montantes transformam-se nos novos produtos que são publicitados. Espero que os emigrantes não o façam, porque serão prejudicados”, disse, ao JN, Helena Batista, porta-voz dos MEL.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Metade dos emigrantes lesados aceita proposta do Novo Banco