Associação Mutualista Montepio

Montepio: Polémica nas eleições chega ao governo

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Alegadas irregularidades preocupam, tal como o facto de ainda não ter saído um despacho relevante dos Ministérios de Mário Centeno e Vieira da Silva.

Fernando Ribeiro Mendes, candidato à liderança da Associação Mutualista Montepio Geral, pediu uma audiência com caráter de urgência ao ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, para denunciar alegadas irregularidades nas eleições em curso na maior mutualista do país.

Ribeiro Mendes, líder da lista B, concorre contra outras duas listas: a A, liderada por António Tomás Correia, que tenta alcançar um quarto mandato; e a C, liderada por António Godinho.

O pedido de audiência foi feito esta quarta-feira, com a entrega ao ministro de uma carta assinada pelos cabeças de lista da lista B aos órgãos associativos da Associação Mutualista, Fernando Ribeiro Mendes, João Proença, João Costa Pinto e João Carvalho das Neves. Alegam “apreensão sobre a legalidade em que decorrem as eleições”. A carta aponta para “um sumário das eventuais irregularidades, suspeições e riscos de fraude no processo eleitoral de 2018”.

A carta, da qual foi dado conhecimento ao ministro das Finanças, Mário Centeno salienta ainda a “preocupação suplementar para os associados do Montepio de não estar ainda publicado o despacho conjunto” dos dois Ministérios, que sujeitará a Associação Mutualista ao regime jurídico da atividade seguradora, “nomeadamente quanto à verificação prévia dos requisitos de adequação e idoneidade a observar pelos administradores das associações mutualistas sujeitas à supervisão da ASF”.

As eleições ocorrem a 7 de dezembro mas os votos já decorrem por correspondência. A Associação Mutualista conta com mais de 600 mil associados, é dona do banco caixa Económica Montepio geral e gere ativos de quase 4.000 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Montepio: Polémica nas eleições chega ao governo