associação mutualista

Montepio. Tomás Correia sente-se “reforçado” com aprovação das contas

Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista do Montepio.
( Gustavo Bom / Global Imagens )
Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista do Montepio. ( Gustavo Bom / Global Imagens )

Apesar das críticas e pedidos de demissão as contas da Mutualista foram aprovadas com mais de 90% dos presentes a votar a favor

O presidente da Montepio Geral Associação Mutualista, António Tomás Correia, garantiu esta madrugada que sai “reforçado” na liderança da instituição depois de todos os pontos da assembleia-geral, incluindo as contas de 2015 e 2016, terem sido aprovados com mais de 90% do capital representado a votar a favor.

Questionado pelos jornalistas, no final da reunião magna, que decorreu no Coliseu durante mais de três horas, Tomás Correia afirmou que “como é que é possível entender que não saio reforçado se o Conselho de Administração a que preciso apresenta um conjunto de propostas e as médias das votações são mais de 95% dos votos?”.

As contas consolidadas de 2105 foram aprovadas com 92,4% do capital representado a votar a favor. Só 106 associados votaram contra. Votaram 1389 associados, dado que alguns foram saindo ainda decorria a reunião, que arrancou com 1410 associados, sendo a segunda mais participada de sempre. Já as contas individuais de 2016 foram aprovadas com 95,8% dos votos a favor. A Mutualista conta com mais de 630 mil associados.

Nas contas individuais registou-se um lucro de 7,3 milhões de euros. Nas contas consolidadas o MGAM apresentou um capital próprio negativo de 107 milhões de euros, o que Tomás Correia justificou aos associados com os créditos do banco, a Caixa Económica.

A votação mostra, para Tomás Correia, que os associados “estão determinados, envolvidos com a associação, fortes e que querem que a associação seja”.

“Não se pode dizer que quando se tem 95% dos votos que estejamos perante algo que põe em causa o caminho” que a administração está a seguir, atirou.

Questionado pelos jornalistas sobre se tinha condições para continuar, uma vez que é arguido em quatro processos, reforçou que sim. E garantiu estar “completamente tranquilo” em relação aos processos em causa.

Tomás Correia voltou a lembrar a necessidade de alterar o código mutualista para que a Associação fique a ser supervisionada pelo regulador dos seguros, a ASF, mantendo-se sob tutela do ministério do Trabalho e Segurança Social.

Leia mais: Montepio. A assembleia-geral de todas as dúvidas

À saída da reunião magna, alguns associados teceram duras críticas à forma como se processavam as votações, com as luzes da sala acesas e os votos contados pedindo aos associados para se levantarem, sem voto secreto e sem direito a abstenção. Um dos associados, em declarações aos jornalistas, garantiu mesmo que era “umas vergonha” o sistema de votações, sem controlo de quem está na sala, “assumindo-se que quem não está vota a favor.

Também António Godinho, um dos maiores críticos de Tomás Correia e que fazia parte da lista adversária, onde também estava Bagão Félix, disse aos jornalistas que ia apresentar uma moção de destituição do presidente da Mutualista mas que decidiu não o fazer porque o mais importante “é a instituição”. Contudo, apesar da aprovação, garantiu que “é preciso continuar vigilante” e também criticou a falta de tempo para os associados apresentarem os seus pontos de vista. “Devia haver mais tempo para discussão e uma discussão mais aberta e democrática. Nesse sentido estou dececionado”, admitiu.

Questionado pelos jornalistas, Tomás Correia desvalorizou: “a forma como se vota é como se vota em todos os sítios e de acordo com os princípios mutualistas não há abstenções”.

A reunião magna teve momentos de tensão, segundo disseram vários associados aos jornalistas, com alguns a pedir a demissão de Tomás Correia, incluindo Eugénio Rosa, vogal do Conselho Geral e opositor da atual gestão. Eugénio Rosa afirmou aos associados que “a Associação enfrenta um momento difícil”, segundo apurou o Dinheiro Vivo.

“Não se deixem encantar por estes cantares de sereia. A consolidação de contas dá-nos a verdadeira situação da Associação Mutualista”, frisou Eugénio Rosa.

Presente na reunião magna esteve também o auditor KPMG, que colocou o ênfase às contas de 2015 destacando o capital próprio negativo. O auditor garantiu que associados que não há cenário de liquidação, apurou ainda o Dinheiro Vivo. “As operações vão continuar num ritmo normal. O pressuposto das contas é de que existe continuidade das operações da Associação Mutualista. Não há qualquer cenário de liquidação da Associação Mutualista”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Montepio. Tomás Correia sente-se “reforçado” com aprovação das contas