BFA

Moody’s também vê BPI a vender resto da participação no angolano BFA

Fotografia: Tony Dias/Global Imagens
Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Posição da agência de rating surge pouco depois de CaixaBank revelar que BCE recomendou ao BPI vender totalidade da participação no BFA

A Moody’s, agência de notação financeira, acredita que a venda de 2% do Banco Fomento de Angola (BFA) por parte do BPI foi apenas o início de um desinvestimento por parte do banco português naquela unidade. Mas a Moody’s alerta: perder o BFA vai afetar negativamente a rentabilidade do BPI, “dada a enorme relevância dos ganhos desta subsidiária, agora consolidada em 48,1%, nos lucros do grupo”.

O desinvestimento total no BFA, tal como o Dinheiro Vivo escreveu no início da semana, também foi um caminho recomendado pelo Banco Central Europeu ao grupo CaixaBank, cuja oferta pública de aquisição lançada sobre o BPI já decorre.

“A Moody’s acredita que a perda de controlo do BFA aumenta a probabilidade do BPI reduzir a sua participação no banco angolano ainda mais, o que será positivo em termos de solvabilidade mas pode afetar severamente os indicadores de rentabilidade” do banco presidido por Fernando Ulrich.

No entender da agência de rating, e apesar da venda de 2% do BFA e da consequente perda de controlo do banco angolano, o BPI continua exposto aos riscos associados à economia angolana, já que continua com uma fatia de 48,1% da subsidiária.

A posição da Moody’s sobre o futuro do BFA foi agora divulgada pela agência ao mesmo tempo que confirmou o rating atual do BPI, em Ba3, no seguimento da decisão do banco de vender 2% do BFA. “A Moody’s assume que esta venda remedeia a violação dos limites de grande exposição por parte do BPI, evitando assim as sanções do BCE”, explicam os analistas da agência.

Além da venda do BFA, a confirmação do rating do BPI surge também no seguimento da OPA que o CaixaBank tem em curso sobre o banco português, refletindo já “os benefícios de uma integração mais próxima” entre as duas instituições.

De acordo com os resultados do BPI até setembro de 2016, o BFA é responsável por 18% do total de ativos detidos pelo grupo BPI, tendo alimentado 68% dos lucros que o banco reportou, que totalizaram 182,9 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Moody’s também vê BPI a vender resto da participação no angolano BFA