Novo Banco

Novo Banco acorda a venda do francês BES Vénétie à Promontoria

O Novo Banco não indica o valor do negócio, mas diz que a conclusão da transação terá um impacto positivo no seu rácio de solvabilidade CET1.

O Novo Banco acordou a venda do Banque Espírito Santo et de la Vénétie, disse esta sexta-feira a instituição liderada por António Ramalho, sem revelar o valor do negócio.

A sociedade compradora é a francesa Promontoria, pertencente ao fundo de investimento norte-americano Cerberus Capital Management, tendo o Novo Banco acordado a venda da “participação de 87,5% que detém no capital social do Banque Espírito Santo et de la Vénétie e ativos diretamente relacionados”, lê-se na informação divulgada através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A concretização da venda está agora dependente autorizações das entidades que têm de aprovar a operação.

O Novo Banco não indica o valor do negócio, mas diz que a conclusão da transação terá um impacto positivo no seu rácio de solvabilidade CET1, mas sem quantificar.

“Esta transação representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo este a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico”, termina o Novo Banco o comunicado ao mercado.

O Novo Banco teve lucros de 60,9 milhões de euros no primeiro trimestre, o que compara com o prejuízo de 130,9 milhões de euros dos primeiros três meses de 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pardal Henriques, do SNMMP. 
(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

Sem acordo “por 50 euros”, diz sindicato. “Querem impor aumento”, acusam patrões

O advogado e porta-voz do sindicato nacional dos motoristas, Pardal Henriques. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Pardal Henriques foi a personalidade mais mediática da greve

Outros conteúdos GMG
Novo Banco acorda a venda do francês BES Vénétie à Promontoria