banca

Novo Banco é o mais exposto ao despiste de Pereira Coutinho

João Pereira Coutinho. Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens
João Pereira Coutinho. Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Exposição da instituição financeira equivale a 47% dos créditos bancários.

O Novo Banco é a instituição financeira mais exposta ao deslize do empresário João Pereira Coutinho. A exposição aos bancos ronda os 232,5 milhões de euros, surgindo o banco liderado por António Ramalho no topo da lista, com quase metade, escreve o Jornal de Negócios.

O jornal indica que a dívida agregada da SAG e da SIVA está próxima dos 600 milhões de euros, tendo os acionistas perdoado 253,3 milhões e a banca 116 milhões de euros.

Na banca, de um total de 232,5 milhões de créditos agregados reclamados, o Novo Banco lidera a tabela, com 110 milhões de euros – 66,4 milhões nas contas da SIVA e 43,5 na contabilidade da SAG -, o equivalente a 47% dos créditos bancários. Seguem-se o BCP com 70,5 milhões, a CGD com 36,5 milhões e o BPI com 15,5 milhões de euros.

Para continuar a operação do grupo Volkswagen em Portugal, os bancos acordaram ainda prorrogar o prazo das contragarantias existentes e conceder novas garantias, a vigorar até 31 de dezembro de 2019. O Novo Banco vai emitir uma garantia à primeira solicitação no valor de 4,4 milhões de euros e o BCP vai emitir uma nova garantia no montante de 3,56 milhões.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Novo Banco é o mais exposto ao despiste de Pereira Coutinho