venda do novo banco

Novo Banco. Há proposta que pode chegar aos 4 mil milhões de euros

Proposta chega depois de o Banco de Portugal ter anunciado que entrou em negociações exclusivas com o fundo norte-americano Lone Star

O Banco de Portugal terá recebido uma nova proposta para a venda do Novo Banco. A Aethel Partners terá entregado, na passada sexta-feira, uma carta de intenções e que pode representar um montante de até quatro mil milhões de euros.

O valor da proposta está limitado por várias circunstâncias e o Fundo de Resolução só deverá receber três mil milhões de euros. Os restantes mil milhões de euros deverão servir para aumentar o capital do Novo Banco, adianta esta segunda-feira o Jornal de Negócios. Está ainda prevista a manutenção no capital do Novo Banco por cinco anos e é feita com investidores institucionais não identificados.

A Aethel Partners conta com Ricardo Santos Silva e Aba Schubert como sócios.

A proposta da Aethel Partners chega poucos dias depois de o Banco de Portugal ter anunciado que entrou em negociações exclusivas com o fundo norte-americano Lone Star para a venda do Novo Banco.

Na corrida estava ainda o fundo Apollo/Centerbridge, em fase de due diligence. Agora, as negociações vão envolver apenas o Novo Banco que, segundo o comentador da SIC Marques Mendes, terá proposto uma injeção de capital de mil milhões de euros, ficar com 65% do Novo Banco deixando o Fundo de Resolução com 25% e entregando 10% a empresários portugueses que queiram participar no processo.

O Fundo de Resolução investiu 4,9 mil milhões de euros no banco liderado por António Ramalho e a venda entrará agora na fase final mas deverá ser realizada muito abaixo do valor inicialmente gasto. O processo tem de estar fechado até agosto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Novo Banco. Há proposta que pode chegar aos 4 mil milhões de euros