Novo Banco

Novo Banco. Lone Star prevê aceleração da redução do malparado

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA
Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Aceleração da redução do malparado e da estabilização do financiamento permite retorno mais rápido à concessão de crédito

O plano de negócios do Lone Star para o Novo Banco prevê uma aceleração da redução do crédito malparado e da carteira de imóveis do banco de transição.

Além disso, o fundo norte-americano antecipou o calendário previsto para a estabilização do financiamento do banco, o que permite mais rapidez no aumento da concessão de novo crédito, noticia a edição desta quarta-feira do Jornal de Negócios.

O Lone Star foi o escolhido para ficar com 75% do Novo Banco (25% fica no Fundo de Resolução), prevendo uma injeção de capital de mil milhões de euros mas o negócio está dependente de várias aprovações: de Bruxelas (onde o plano de negócios já foi entregue), do BCE e ainda de uma troca de obrigações que terá de gerar um ganho de 500 milhões de euros e que é voluntária – se os obrigacionistas não aceitarem a troca a operação cai por terra.

O Fundo de Resolução terá sempre uma palavra a dizer sobre os ativos vendidos porque estes estão sob alçada do mecanismo de partilha de risco acordado na venda (em que o Fundo de Resolução tem poder de veto sobre determinados ativos que o Lone Star queira vender).

A venda de ativos e a estabilização e aceleração do financiamento permitirá ao Novo Banco libertar capital e reforçar a aposta na concessão de crédito mais cedo do que o previsto. O novo dono do Novo Banco vai ainda reduzir pessoal e fechar balcões mas os valores de redução ainda não foram divulgados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Novo Banco. Lone Star prevê aceleração da redução do malparado