Novo Banco

Novo Banco: PR considera que “é prematura uma opinião” sobre o processo

O presidente da Republica, Marcelo Rebelo de Sousa.
(Paulo Spranger/Global Imagens)
O presidente da Republica, Marcelo Rebelo de Sousa. (Paulo Spranger/Global Imagens)

Vamos esperar para ver", acrescentou o Presidente da República sobre o processo de venda do Novo Banco

O Presidente da República considerou hoje, questionado sobre o processo de venda do Novo Banco e sobre a possibilidade de o Governo optar pela sua nacionalização, que “é prematura uma opinião” e que se deve “esperar para ver”.

Em resposta aos jornalistas, no final de uma visita a uma escola no concelho de Cascais, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou: “Eu acho que é prematura uma opinião. O Banco de Portugal ainda não se pronunciou publicamente, o Governo depois vai pronunciar-se”.

“Não sabemos se haverá depois ainda negociações. Vamos esperar para ver”, acrescentou.

Interrogado sobre a subida da inflação na zona euro, e em particular na Alemanha, e a forma como isso poderá afetar o comportamento do Banco Central Europeu e os juros da dívida pública portuguesa, o chefe de Estado defendeu igualmente que é preciso “esperar para ver”.

“Vamos esperar para ver. Não há neste momento preocupações que se coloquem em relação à dívida pública portuguesa”, declarou.

Segundo o Presidente, “há sinais de que a inflação pode subir”, mas trata-se de “um dado que ainda não é assente” e “não vale a pena estar a fazer previsões”.

Por outro lado, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que, “quando se olha para os juros, deve deduzir-se a taxa de inflação”, dando exemplos com valores dos últimos anos.

“É essa operação que se deve fazer, e ao longo dos anos é isso que vai sendo feito”, reforçou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Novo Banco: PR considera que “é prematura uma opinião” sobre o processo