Futuro da Banca

Novo Banco. Propostas entregues até sexta-feira às 17h

Fotografia:
Igor Martins / Global Imagens
Fotografia: Igor Martins / Global Imagens

Há quatro interessados conhecidos na venda direta e um na venda em mercado. Modelo de alienação vai ser escolhido depois.

O prazo de entrega das propostas firmes para a compra do Novo Banco termina amanhã, sexta-feira, às 17h, apurou o Dinheiro Vivo..

Os cinco interessados conhecidos no banco de transição terão de apresentar as propostas melhoradas ao Banco de Portugal, seja na venda estratégica direta, onde há quatro interessados, seja na venda em mercado, onde há apenas um interessado público.

Na venda direta o BPI, BCP, Apollo/Centerbridge e Lone Star entregaram propostas no final de junho e têm vindo a manter contactos com a equipa que foi mandatada para vender o Novo Banco no sentido de melhorar as propostas. Também nesta fase de entrega das primeiras propostas o prazo terminou às 17h.

O BCP não deverá rever a sua proposta, mantendo a manifestação de interesse, sem preço, que entregou a 30 de junho, noticiou o Dinheiro Vivo.

Já no que diz respeito à venda em mercado, só os chineses do grupo Misheng Financial é que apresentou uma oferta, pretendendo comprar cerca de 50% do capital – o restante poderá depois ser vendido em bolsa.

O modelo de venda será decidido depois de recebidas e avaliadas as propostas vinculativas, pelo que não se saberá logo se o Novo Banco será alienado por venda direta ou em mercado. O objetivo é ter o processo de venda concluído até ao final do ano, evitando assim uma nova leva de rescisões que terá de avançar se a venda não for fechada ainda em 2016.

o Executivo quer conseguir o maior encaixe possível, dado que o Novo Banco implicou uma injeção de 4,9 mil milhões de euros do Fundo de Resolução, dos quais 3,9 mil milhões de fundos públicos.

Caso a venda não fique fechada até agosto de 2017 o banco de transição avançará para liquidação.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice externo até julho agrava-se para 1633 milhões de euros

Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice externo até julho agrava-se para 1633 milhões de euros

EDP. (REUTERS/Eloy Alonso)

Concorrência condena EDP Produção a multa de 48 milhões

Outros conteúdos GMG
Novo Banco. Propostas entregues até sexta-feira às 17h