banca

Novo Banco vai auditar os seus créditos tóxicos

Novo Banco é um dos bancos que oferece este produto.  Foto: REUTERS/Rafael Marchante/File Photo
Novo Banco é um dos bancos que oferece este produto. Foto: REUTERS/Rafael Marchante/File Photo Novo Banco

O Fundo de Resolução pediu ao banco para avançar com a escolha da auditora que vai fazer a análise.

O Novo Banco vai escolher uma auditora para passar a pente fino os créditos problemáticos do banco, noticia o Expresso este sábado.

O Fundo de Resolução pediu ao banco liderado por António Ramalho para avançar com a escolha da auditora que vai fazer a análise, que poderá abranger um período pós resolução do Banco Espírito Santo (BES) e ir até junho de 2016.

O BES foi alvo de uma medida de resolução a 3 de agosto de 2014. Os seus ativos tóxicos ficaram num banco ‘mau’ – BES – e foi criado o Novo Banco para ficar com os supostos ativos ‘bons’.

Afinal, o Novo Banco ficou com créditos problemáticos que obrigaram o Fundo de Resolução a injetar 1.900 milhões de euros no banco em 2017 e 2018.

Em junho de 2016 ficou definido o bolo de responsabilidades que seriam assumidas pelo Fundo de Resolução para que o Banco de Portugal conseguisse vender o Novo Banco. Este acabou por ser comprado pela Lone Star, em outubro de 2017. O fundo norte-americano ficou com 75% da instituição, enquanto os restantes 25% ficaram nas mãos do Fundo de Resolução.

Segundo o Expresso, o Novo Banco quer escolher uma auditora entre as maiores do setor. Mas tanto a KPMG, como a EY e a PwC têm incompatibilidades por terem estado relacionadas com o BES ou estarem envolvidas com o Novo Banco. A Deloitte trabalhou com o Ministério Público em alguns processos relativos ao antigo BES.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão (E), fala durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento e Finanças, conjunta com a Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de janeiro de 2020. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Governo volta a negociar aumentos de 2020 com funcionários públicos

Greve escola função pública

Último ano da geringonça foi o de maior contestação na função pública

Novo Banco vai auditar os seus créditos tóxicos