banca

Novo Banco vai auditar os seus créditos tóxicos

Novo Banco.  Foto: Global Imagens
Novo Banco. Foto: Global Imagens Novo Banco

O Fundo de Resolução pediu ao banco para avançar com a escolha da auditora que vai fazer a análise.

O Novo Banco vai escolher uma auditora para passar a pente fino os créditos problemáticos do banco, noticia o Expresso este sábado.

O Fundo de Resolução pediu ao banco liderado por António Ramalho para avançar com a escolha da auditora que vai fazer a análise, que poderá abranger um período pós resolução do Banco Espírito Santo (BES) e ir até junho de 2016.

O BES foi alvo de uma medida de resolução a 3 de agosto de 2014. Os seus ativos tóxicos ficaram num banco ‘mau’ – BES – e foi criado o Novo Banco para ficar com os supostos ativos ‘bons’.

Afinal, o Novo Banco ficou com créditos problemáticos que obrigaram o Fundo de Resolução a injetar 1.900 milhões de euros no banco em 2017 e 2018.

Em junho de 2016 ficou definido o bolo de responsabilidades que seriam assumidas pelo Fundo de Resolução para que o Banco de Portugal conseguisse vender o Novo Banco. Este acabou por ser comprado pela Lone Star, em outubro de 2017. O fundo norte-americano ficou com 75% da instituição, enquanto os restantes 25% ficaram nas mãos do Fundo de Resolução.

Segundo o Expresso, o Novo Banco quer escolher uma auditora entre as maiores do setor. Mas tanto a KPMG, como a EY e a PwC têm incompatibilidades por terem estado relacionadas com o BES ou estarem envolvidas com o Novo Banco. A Deloitte trabalhou com o Ministério Público em alguns processos relativos ao antigo BES.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Novo Banco vai auditar os seus créditos tóxicos