crédito

Novo crédito à habitação aumenta para valores antes da troika

Casas

Banco de Portugal anunciou este mês regras para prevenir excessos na concessão de crédito.

Os bancos abriram a torneira para o crédito à habitação em 2017. Em 217 emprestaram em média 690 milhões de euros por mês. E só no passado mês de dezembro os novos empréstimos à habitação totalizaram 819 milhões de euros, o valor mais elevado desde dezembro de 2010, ainda antes do pedido do programa de assistência financeira.

No total do ano, o valor dos novos empréstimos concedidos para a compra de caso foi de 8,6 mil milhões de euros, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal. Em 2016, tinham disponibilizado 5,8 mil milhões de euros.

O crescimento do ritmo da concessão do novo crédito levou o Banco de Portugal a fazer recomendações aos bancos no sentido de apertarem as condições dos novos empréstimos de forma a prevenir riscos para a estabilidade financeira que possam surgir no futuro. O supervisor quer evitar que o custo com as prestações dos empréstimos supere 50% do rendimento das famílias durante o período do empréstimo e caso as taxas de juro subam.

Apesar da concessão do novo crédito estar a subir para níveis anteriores à troika, o valor do stock total de crédito à habitação no balanço dos bancos ainda está a diminuir. Isso indicia que a concessão de novo crédito está a ser feita a um ritmo mais lento do que as amortizações de empréstimos que foram dados no passado. O stock baixou 1,64 mil milhões de euros para 98,7 mil milhões.

Mas essa diferença entre o valor dos novos empréstimos e o montante de créditos que vão sendo amortizados é cada vez menor.

 

Atualizada às 12:22

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Finanças cortam 11% na verba para descongelar carreiras em 2019

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte REUTERS/Alessandro Bianchi

Itália não cede a Bruxelas e mantém orçamento

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

Vieira da Silva admite que 600 euros são “ponto de partida”

Outros conteúdos GMG
Novo crédito à habitação aumenta para valores antes da troika