OE 2017

OE2017. Governo prevê receber mais 140% de dividendos do Banco de Portugal

Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal. Fotografia: Mário Cruz/Lusa
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Estado prevê encaixar mais 303 milhões de euros com estes dividendos no próximo ano, o valor mais alto desde pelo menos 2001

O governo prevê encaixar mais 140% em dividendos pagos pelo Banco de Portugal no próximo ano, segundo o relatório do Orçamento do Estado para 2017. O Estado prevê encaixar mais 303 milhões de euros com estes dividendos no próximo ano, o que significa que vai receber do banco central o valor mais alto desde pelo menos 2001.

Este ganho com o supervisor da banca alimentará em parte o salto de 13,2% previsto para as “outras receitas correntes” em 2017, cuja subida total é de 599 milhões de euros, de 4,5 mil milhões para 5,13 mil milhões.

“O crescimento da outra receita corrente (13,2%) tem um efeito base de 2016 que se prevê reverter em 2017. Por exemplo, o aumento dos dividendos do Banco de Portugal, no valor de 303 milhões de euros, contribui positivamente para esta variação”, refere o relatório do OE.

Este ano, e segundo o relatório anual do Banco de Portugal de 2015, os dividendos ilíquidos pagos em 2016 atingiram os 186 milhões de euros, o valor mais baixo desde 2011 – quando o banco central entregou 19 milhões de euros ao Estado.

Já em 2014, o supervisor bancário tinha pago 243 milhões de euros em dividendos, que, no ano anterior, tinham sido de 202 milhões de euros. Em 2012, o cheque atingiu os 359 milhões de euros.

[Notícia corrigida a 19 de outubro, com nova informação]

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão (E), fala durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento e Finanças, conjunta com a Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de janeiro de 2020. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Governo volta a negociar aumentos de 2020 com funcionários públicos

Greve escola função pública

Último ano da geringonça foi o de maior contestação na função pública

OE2017. Governo prevê receber mais 140% de dividendos do Banco de Portugal