OE 2017

OE2017. Governo prevê receber mais 140% de dividendos do Banco de Portugal

Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal. Fotografia: Mário Cruz/Lusa
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Estado prevê encaixar mais 303 milhões de euros com estes dividendos no próximo ano, o valor mais alto desde pelo menos 2001

O governo prevê encaixar mais 140% em dividendos pagos pelo Banco de Portugal no próximo ano, segundo o relatório do Orçamento do Estado para 2017. O Estado prevê encaixar mais 303 milhões de euros com estes dividendos no próximo ano, o que significa que vai receber do banco central o valor mais alto desde pelo menos 2001.

Este ganho com o supervisor da banca alimentará em parte o salto de 13,2% previsto para as “outras receitas correntes” em 2017, cuja subida total é de 599 milhões de euros, de 4,5 mil milhões para 5,13 mil milhões.

“O crescimento da outra receita corrente (13,2%) tem um efeito base de 2016 que se prevê reverter em 2017. Por exemplo, o aumento dos dividendos do Banco de Portugal, no valor de 303 milhões de euros, contribui positivamente para esta variação”, refere o relatório do OE.

Este ano, e segundo o relatório anual do Banco de Portugal de 2015, os dividendos ilíquidos pagos em 2016 atingiram os 186 milhões de euros, o valor mais baixo desde 2011 – quando o banco central entregou 19 milhões de euros ao Estado.

Já em 2014, o supervisor bancário tinha pago 243 milhões de euros em dividendos, que, no ano anterior, tinham sido de 202 milhões de euros. Em 2012, o cheque atingiu os 359 milhões de euros.

[Notícia corrigida a 19 de outubro, com nova informação]

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

OE2017. Governo prevê receber mais 140% de dividendos do Banco de Portugal