banca

Paulo Macedo vai abdicar do seu prémio na CGD

Paulo Macedo, presidente da CGD (Global Imagens)
Paulo Macedo, presidente da CGD (Global Imagens)

Vai ser proposto à assembleia-geral de acionistas o adiamento e a redução dos bónus a administradores e trabalhadores do banco estatal.

Paulo Macedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD), vai abdicar de receber o seu bónus relativo ao exercício de 2019.

O banqueiro também anunciou, esta quarta-feira, que vai ser proposto à assembleia-geral que “não haja qualquer atribuição” de prémios a administradores relativamente a 2019. “Deve haver uma postecipação (…) e uma redução” dos prémios a pagar no futuro.

A medida deverá ser aplicada também aos bónus dos trabalhadores do banco estatal.

“No meu caso, abdicarei do valor do prémio integral”, afirmou Paulo Macedo em audição nas Comissões de Orçamento e Finanças e de Economia.

Paulo Macedo criticou ainda as notícias recorrentes sobre a atribuição de prémios na CGD: “Não vejo preocupação por o chairman (Rui Vilar) nunca ter recebido um euro”.

Atualizada às 12H54 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Governo cria complemento salarial até 350 euros para trabalhadores em lay-off

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa, 04 junho 2020, realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Banco de Fomento para Portugal com “aprovação provisória”

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda,  em Lisboa, 29 de maio de 2020. O Governo decidiu adiar a passagem para a terceira fase de desconfinamento na Área Metropolitana de Lisboa e criou regras especiais, sobretudo em atividades que envolvem “grande aglomerações de pessoas”.  MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Trabalhadores em lay-off passam a receber entre 77% e 92% do salário

Paulo Macedo vai abdicar do seu prémio na CGD