banca

Pimco e fundo soberano do Kuwait processam Estado por causa do Novo Banco

Concurso para Novo Banco abre após as eleições de 4 de outubro

Fundos de investimento da Pimco e de outras gestoras e o Kuwait acusam o Estado de não ter transposto de forma apropriada a diretiva europeia.

É mais um processo colocado por alguns dos credores do Novo Banco que foram penalizados quando o Banco de Portugal decidiu, no final de 2015, passar algumas linhas de obrigações daquela entidade financeira para o BES. Fundos de investimento da PIMCO e de outras gestoras de ativos, a Autoridade de Investimento do Kuwait, o fundo de pensões da IBM colocaram este mês um processo contra a República Portuguesa na justiça nacional.

Estas entidades avançaram para os tribunais portugueses por considerarem que houve uma incorreta transposição da Diretiva Europeia sobre a Resolução das Entidades Bancárias, realçou fonte próxima do processo ao Dinheiro Vivo. O argumento da queixa é que a lei portuguesa que transpôs a diretiva não previu, e continua a não prever, de forma expressa e clara que os credores de bancos alvo de resolução devem ser tratados de forma igual, de acordo com a hierarquia nas insolvências.

Outro dos pontos que motivaram o processo é a consideração de que a lei deveria prever que os poderes de retransferência têm de ter uma prévia determinação sobre os ativos e passivos que podem passar de uma entidade para outra e qual o período de tempo em que essa decisão pode ser tomada. No final de 2015 o Banco de Portugal decidiu passar a responsabilidade de pagamento de cinco linhas de obrigações detidas maioritariamente por investidores institucionais do Novo Banco para o BES.

Essa decisão permitiu melhorar os capitais do banco em quase dois mil milhões de euros e implicou perdas avultadas para os detentores desses títulos. Após essa decisão foram instaurados vários processos contra o Banco de Portugal na justiça portuguesa e internacional. E grandes investidores como a Pimco e a BlackRock uniram-se com outros credores criando um grupo de lesados, o Novo Note Group.

Em algumas emissões de dívida do Estado e da banca portuguesa, aquelas gigantes da gestão de ativos ficaram de fora. Anunciaram publicamente que iriam boicotar essas operações. No site do Novo Note Group é realçado que “as ações tomadas pelo Banco de Portugal prejudicaram a posição financeira de Portugal, já que o apoio de investidores institucionais de longo prazo ficou em dúvida”. Argumentam que o Banco de Portugal não tinha poderes para fazer a retransferência de obrigações porque “falhou em especificar os ativos que estavam sujeitos a uma potencial retransferência na medida de resolução original”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
fitch rating dívida riscos políticos

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

fitch rating dívida riscos políticos

Centeno vai além da meta. Défice público cai para 0,5% do PIB em 2018

João Vasconcelos 
(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Morreu João Vasconcelos, ex-secretário de Estado da Indústria

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Pimco e fundo soberano do Kuwait processam Estado por causa do Novo Banco