dívida pública

Portugal coloca dívida a 5 e 10 anos com taxas mais baixas de sempre

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens
Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens

Portugal colocou hoje 1.207 milhões de euros em Obrigações do Tesouro a 5 e 10 anos, com as taxas de juro a atingirem o nível mais baixo de sempre.

Portugal colocou, esta quarta-feira, milhões de euros em Obrigações do Tesouro a cinco e dez anos, com as taxas de juro em ambos os prazos a atingirem o nível mais baixo de sempre, foi anunciado.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na Bloomberg, a cinco anos foram colocados 724 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) à taxa de juro de 0,529%, inferior à taxa do anterior leilão comparável, de 0,577%, em 14 de fevereiro.

A procura atingiu 2.019 milhões de euros para as OT a cinco anos, 2,79 vezes superior ao montante colocado.

No prazo mais longo, a dez anos, Portugal colocou esta quarta-feira 483 milhões de euros à taxa de juro média de 1,670%, inferior à verificada no anterior leilão comparável de 14 de março (1,778%).

Neste prazo, a procura atingiu esta quarta-feira 1.102 milhões de euros, 2,28 vezes o montante colocado.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) tinha anunciado, para esta quarta-feira, hoje a realização de dois leilões de OT com maturidades em 25 de outubro de 2023 (cinco anos) e 17 de outubro de 2028 (dez anos), com um montante indicativo global entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

No anterior leilão de OT a dez anos, em 14 de março, Portugal colocou 975 milhões de euros à taxa de juro de 1,778%, inferior à taxa do anterior leilão comparável, de 2,046%, em 14 de fevereiro.

Em relação ao mais recente leilão de OT a cinco anos, este realizou-se em 14 de fevereiro, quando foram colocados 490 milhões de euros à taxa de juro média de 0,577%, inferior à verificada no anterior leilão comparável de 11 de outubro de 2017 (0,916%).

Para Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, as duas emissões “correram melhor do que o esperado, quer em termos de taxa, quer quanto à procura”.

“As taxas foram mais baixas do que estávamos à espera: não só foram mais baixas do que as dos últimos leilões comparáveis como foram até inferiores àquilo que o mercado secundário está a fazer”, adiantou, sublinhando que a procura também subiu.

“O país conseguir financiar-se a longo prazo com as taxas mais baixas de sempre é o melhor que se pode esperar”, concluiu Filipe Silva.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Bruno Bobone

Bruno Bobone: PQP “era um exemplo de coragem e persistência”

Outros conteúdos GMG
Portugal coloca dívida a 5 e 10 anos com taxas mais baixas de sempre