Banco de Portugal

Portugueses mantêm “nível elevado” de confiança nos bancos

Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O governador do Banco de Portugal afirmou hoje que os portugueses mantêm um "nível elevado" de confiança na banca

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, afirmou hoje, baseado nas conclusões de um inquérito, que os portugueses mantêm um “nível elevado” de confiança na banca, apesar dos problemas que o setor tem atravessado nos últimos anos.

Numa apresentação, hoje em Lisboa, do relatório do segundo inquérito à literacia financeira dos portugueses, cinco anos depois do primeiro estudo, Carlos Costa destacou e congratulou-se com a confiança que os inquiridos mantêm com os seus gestores de conta quando escolhem produtos financeiros para investir as poupanças.

O inquérito – cujos resultados preliminares foram anunciados em abril e os definitivos na semana passada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), – revela que para quase 60% dos inquiridos é o conselho desse funcionário de balcão que é “determinante” da escolha dos produtos financeiros, seguindo-se os da família e amigos.

“Em 2010 foi assim [o nível de confiança] e em 2015 também, e será assim no próximo inquérito porque isto tem a ver com uma história de relacionamento” entre as instituições financeiras e os clientes bancários, explicou o governador.

No entanto, Carlos Costa ressalvou que há ainda muito caminho a fazer para que os portugueses tenham mais conhecimentos financeiros até porque, reconheceu, “o agente [bancário] pode estar sujeito a pressões”, nomeadamente a metas que tem de cumprir como trabalhador da instituição bancária, sendo pressionado a vender produtos.

“O inquérito de 2015 revela uma progressão [face aos resultados de 2010], mas também justifica um plano de formação financeira”, afirmou o governador, referindo-se à formação dos gestores da banca, entre outros profissionais, que defende ser necessária.

O inquérito da OCDE foi feito em três dezenas de países e colocam Portugal na 10.ª posição quanto aos conhecimentos, atitudes e comportamentos face à gestão do dinheiro.

Mas os portugueses já ficam abaixo da média europeia quando se refere ao dinheiro disponível para pagar necessidades, com 35% dos inquiridos a não ter rendimento suficiente para satisfazer as necessidades e 16% a ter de recorrer ao crédito para o fazer.

Neste aspeto, Portugal fica acima da média dos países da OCDE, em que 27% dos inquiridos admitem não ter rendimentos suficientes para satisfazer as necessidades básicas e 14% recorreram ao crédito para as cobrir.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

FOTO: TIAGO PETINGA/LUSA

Reunião marcada para terça-feira se a greve for desconvocada

Outros conteúdos GMG
Portugueses mantêm “nível elevado” de confiança nos bancos