Banco de Portugal

Portugueses mantêm “nível elevado” de confiança nos bancos

Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O governador do Banco de Portugal afirmou hoje que os portugueses mantêm um "nível elevado" de confiança na banca

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, afirmou hoje, baseado nas conclusões de um inquérito, que os portugueses mantêm um “nível elevado” de confiança na banca, apesar dos problemas que o setor tem atravessado nos últimos anos.

Numa apresentação, hoje em Lisboa, do relatório do segundo inquérito à literacia financeira dos portugueses, cinco anos depois do primeiro estudo, Carlos Costa destacou e congratulou-se com a confiança que os inquiridos mantêm com os seus gestores de conta quando escolhem produtos financeiros para investir as poupanças.

O inquérito – cujos resultados preliminares foram anunciados em abril e os definitivos na semana passada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), – revela que para quase 60% dos inquiridos é o conselho desse funcionário de balcão que é “determinante” da escolha dos produtos financeiros, seguindo-se os da família e amigos.

“Em 2010 foi assim [o nível de confiança] e em 2015 também, e será assim no próximo inquérito porque isto tem a ver com uma história de relacionamento” entre as instituições financeiras e os clientes bancários, explicou o governador.

No entanto, Carlos Costa ressalvou que há ainda muito caminho a fazer para que os portugueses tenham mais conhecimentos financeiros até porque, reconheceu, “o agente [bancário] pode estar sujeito a pressões”, nomeadamente a metas que tem de cumprir como trabalhador da instituição bancária, sendo pressionado a vender produtos.

“O inquérito de 2015 revela uma progressão [face aos resultados de 2010], mas também justifica um plano de formação financeira”, afirmou o governador, referindo-se à formação dos gestores da banca, entre outros profissionais, que defende ser necessária.

O inquérito da OCDE foi feito em três dezenas de países e colocam Portugal na 10.ª posição quanto aos conhecimentos, atitudes e comportamentos face à gestão do dinheiro.

Mas os portugueses já ficam abaixo da média europeia quando se refere ao dinheiro disponível para pagar necessidades, com 35% dos inquiridos a não ter rendimento suficiente para satisfazer as necessidades e 16% a ter de recorrer ao crédito para o fazer.

Neste aspeto, Portugal fica acima da média dos países da OCDE, em que 27% dos inquiridos admitem não ter rendimentos suficientes para satisfazer as necessidades básicas e 14% recorreram ao crédito para as cobrir.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Portugueses mantêm “nível elevado” de confiança nos bancos