crédito

Portugueses nunca pediram tanto crédito ao consumo

Renault é a marca de automóveis mais vendida em Portugal. (Gonçalo Delgado/Global Imagens)
Renault é a marca de automóveis mais vendida em Portugal. (Gonçalo Delgado/Global Imagens)

O crédito ao consumo concedido em 2019 ultrapassou mesmo o recorde registado em 2008. Crédito à habitação ao nível de antes da crise.

A concessão de crédito ao consumo bateu recordes em 2019, atingindo os 5.245 milhões de euros, o máximo desde que há registo nos dados disponíveis no Banco de Portugal.

Por dia, as famílias pediram mais de 14 milhões de euros em crédito ao consumo. Só em dezembro, as famílias endividaram-se em mais 501 milhões de euros, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal. O volume de novo crédito concedido em dezembro é explicado, em parte pelo mínimo de sempre registado nas taxas de juro médias nos empréstimos ao consumo.

No crédito concedido para outros fins, o volume atingiu os 2.300 milhões de euros em 2019.

Também a concessão de crédito à habitação subiu ao máximo desde 2008, ano em que rebentou a crise financeira nos Estados Unidos e que se alastrou a todo o mundo.

O crédito à habitação atingiu os 10.630 milhões de euros. O mês de dezembro foi o melhor desde dezembro de 2008, tendo as famílias pedido emprestado 1.117 milhões de euros para a compra de casa no último mês do ano passado.

No total, os novos créditos concedidos a particulares atingiram os 18.217 milhões de euros em 2019, o máximo desde 2008. Em dezembro, os particulares endividaram-se em 1.856 milhões de euros.

“As taxas de juro de novas operações de empréstimos a particulares continuaram a apresentar, em 2019, uma tendência de descida”, refere o Banco de Portugal na nota estatística.

As taxas de juro em mínimos históricos têm incentivado a procura por crédito por parte das famílias. A somar, os bancos têm incentivado o recurso ao crédito para minimizar os impactos que sofrem nas receitas das baixas taxas de juro.

“Nas novas operações de empréstimos a particulares para habitação, a taxa de juro média, em dezembro de 2019, foi de 1,10%, reduzindo 31 pontos base relativamente ao período homólogo”, segundo o supervisor bancário.

No crédito ao consumo e para outros fins, “as taxas de juro médias foram de 6,58% [6,77% em dezembro de 2018] e de 3,71% [3,75% em dezembro de 2018], respetivamente”. “Em dezembro de 2019, a taxa do crédito ao consumo registou um mínimo histórico”, adiantou.

O aumento do crédito ao consumo fez disparar alarmes no Banco de Portugal, no terceiro trimestre de 2019. O supervisor anunciou no final de janeiro novas medidas para travar a concessão de crédito ao consumo que entram em vigor no próximo dia 1 de abril.

Uma das principais medidas introduzidas pelo Banco de Portugal foi a diminuição de 10 para sete anos do prazo máximo para novos contratos de crédito ao consumo.

As medidas vieram complementar as que já estavam em vigor, desde julho de 2018, para o crédito ao consumo e crédito à habitação. O Banco de Portugal pretende, com a imposição destes limites ao crédito, melhorar a qualidade do crédito concedido para proteger os bancos de novos problemas com crédito malparado.

Info -NOVOS CRÉDITOS 2019 - BdP-01

Atualizada às 14H18 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

Portugueses nunca pediram tanto crédito ao consumo