Coronavírus

Presidente do Santander, Vieira Monteiro, é a segunda vítima mortal do Covid-19

António Vieira Monteiro
(Foto: Pedro Rocha / Global Imagens
António Vieira Monteiro (Foto: Pedro Rocha / Global Imagens

O presidente conselho de administração do banco Santander, António Vieira Monteiro, é a segunda vítima mortal em Portugal do Covid-19. A informação foi confirmada pelo Dinheiro Vivo, junto de fonte oficial do banco.

Segundo apurámos, Vieira Monteiro já estaria doente há várias semanas e, face ao quadro debilitado do banqueiro, o novo coronavírus foi fatal.
Vieira Monteiro estava internado no Hospital Curry Cabral, onde acabou por falecer.
Terá contraído o vírus numa viagem de férias ao norte de Itália e ficou de quarentena em Portugal, não tendo regressado ao banco.
A notícia foi avançada pelo Expresso. O banqueiro iria completar os 74 anos a 21 de março. Nasceu em 1946.
Vieira Monteiro assumiu a presidência do conselho de administração do Santander em 2019. Antes, foi o presidente executivo do banco entre 2012 e 2018, tendo sucedido a Nuno Amado no cargo.
Ana Botín, presidente do grupo Santander, afirmou que este “é um dos momentos mais tristes” que teve no banco. “O António deixou-nos cedo demais”, lamentou.
Licenciado em Direito, Vieira Monteiro fez carreira na banca. Foi vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos, de onde saiu para o Santander Totta, tendo passado ainda pelo BNU e pelo Banco Português do Atlântico.
Sob o seu comando, o Santander navegou a austeridade trazida pelo resgate financeiro do país e as medidas da ‘troika’. O banco ganhou maior dimensão, com crescimento orgânico e a compra do Banif, em 2015, por 150 milhões de euros. Integrou também o Banco Popular.
Antes de passar a pasta ao sucessor Pedro Castro e Almeida, Vieira Monteiro deixou preparada a mudança de marca: o nome Totta caiu ao fim de 125 anos de existência. Deixou também concluída a integração operacional e tecnológica do Banco Popular, comprado em 2017.
Sob a liderança de Vieira Monteiro, o banco teve sempre lucros, mesmo durante a crise financeira do país, enquanto bancos concorrentes registavam prejuízos. O Santander tornou-se o líder do setor, em termos de ativos e crédito. Também cresceu na quota de mercado no segmento das pequenas e médias empresas. E ganhou quota nos recursos de clientes e no crédito.

“António Vieira Monteiro, 73 anos, dedicou toda a sua carreira à atividade bancária, tendo sido administrador do Santander em Portugal desde 2000 e presidente da sua Comissão Executiva entre 2012 e 2018”, comentou o Santander em comunicado. “Durante a sua liderança, o banco consolidou e expandiu a sua atividade em Portugal, mantendo em permanência o rigor e a determinação que sempre o caracterizaram”, adiantou. “O legado de António Vieira Monteiro permanecerá sempre connosco”.

“Um homem que esteve sempre do lado das soluções”
Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Portugal afirmou: “Durante a liderança de António Vieira Monteiro, da qual tive o privilégio de fazer parte, pude sempre constatar a sua perseverança para tornar o Santander em Portugal numa instituição de referência”.
“Vieira Monteiro era um profundo conhecedor do sector bancário, no qual trabalhou ao longo de várias décadas, tendo contribuído de forma muito relevante para aquilo que o Santander em Portugal é hoje: um banco líder, forte e com enorme capacidade para contribuir para o desenvolvimento do País”, adiantou citado num comunicado do banco.
No comunicado, “o Santander Portugal manifesta o seu sentido pesar pelo falecimento do seu presidente do Conselho de Administração, António José Sacadura Vieira Monteiro”. O banco endereçou “as mais sinceras condolências à sua família e amigos” de Vieira Monteiro.
António Horta Osório declarou: “foi com enorme tristeza que recebi a notícia da morte do António Vieira Monteiro esta madrugada”.
“Tive a oportunidade de o conhecer quando comecei o Banco Santander de Negócios Portugal e ele já era vice presidente da Caixa Geral de Depósitos. Trabalhámos mais tarde juntos durante mais de 10 anos no Santander, depois de o ter chamado para liderar o Conselho de Crédito quando compramos o Totta ao António Champalimaud”, adiantou o presidente do Lloyds Bank.
“O António era um homem com uma personalidade fortíssima, com uma enorme experiência de banca e, em particular, de crédito e de empresas. Desempenhou o seu papel no Conselho de forma exemplar, contribuindo assim muito para a afirmação e crescimento saudável do Santander Totta em Portugal”, disse.
Carlos Tavares, presidente do Banco Montepio, afirmou que “foi com grande pesar” que recebeu “a notícia do falecimento de António Vieira Monteiro, homem e profissional que admiro e com quem tive oportunidade de trabalhar, que deixa uma marca de competência na gestão da banca no nosso país em instituições e tempos diversos”.
“Em nome do Conselho de Administração do Banco Montepio e no meu próprio, apresento as mais sentidas condolências à sua família e a todos os que trabalham no Banco Santander Portugal, uma das instituições onde nos cruzámos em tempos e circunstâncias desafiantes”, afirmou.
António Ramalho, presidente do Novo Banco, escreveu na sua conta no Twitter. “Um colega e que geriu tantas crises com sucesso, sucumbiu no início de outra. Lembra-nos as palavras do F Froes: esta crise vai exigir muito sangue e suor mas também algumas lágrimas. Adeus Vieira Monteiro”.
Num comunicado, o Millennium bcp anunciou que “lamenta profundamente a morte de António Vieira Monteiro, chairman do Santander em Portugal”.
“Gestor com um percurso de grande relevância na banca portuguesa, que deixa um legado notável no setor financeiro e na economia. Estendemos os nossos votos de pesar à família e amigos de António Vieira Monteiro, bem como a toda a instituição Santander”, adiantou.

O Banco de Portugal e o governador do banco central, Carlos Costa, também reagiram à morte de Vieira Monteiro, através de um comunicado. “O Dr. António Vieira Monteiro era presidente do conselho de administração do Banco Santander Totta, tendo-se destacado pela sua prestigiante carreira profissional no sector financeiro”. “Neste momento de perda e de consternação, o governador e os membros do Conselho de Administração do Banco de Portugal expressam à família o seu mais profundo pesar”.

Fernando Faria de Oliveira, presidente da APB-Associação Portuguesa de Bancos, afirmou estar “profundamente triste e chocado”.

“O Covid-19 levou-nos um grande líder da banca”, adiantou. “António Vieira Monteiro teve uma longa e brilhante carreira como gestor bancário, que culminou na presidência do Santander, que protagonizou com evidentes resultados”, adiantou.

“Muito competente, sempre atualizado, tinha uma forte personalidade e firmeza de caráter, exercendo uma liderança efetiva. Deixou a sua marca”, disse.

Sublinhou que conviveu “bastante com ele nos últimos dez anos, designadamente enquanto membros da Direção da APB. As suas posições e contributos foram muito relevantes”.

“Foi um bom Amigo, que muito considerava e por quem tinha verdadeiro apreço. A minha palavra, neste momento, é de homenagem e de dor. À sua mulher e família, deixo as minhas mais sentidas condolências”, concluiu, deixando “um enorme e sentido abraço” ao Santander e a todos os seus colaboradores”.

“Fiquei triste e revoltado com a notícia”, disse Daniel Proença de Carvalho, advogado e chairman do Global Media Group. “Era uma pessoa muito inteligente, culta, íntegra, com uma carreira de sucesso nas várias funções que desempenhou na banca privada e pública”, frisou.

Proença de Carvalho lembrou que Vieira Monteiro “passou incólume a enorme crise do sector financeiro, foi o líder que conduziu o Santander em Portugal ao lugar destacado que hoje ocupa”.

“Para além das qualidades profissionais, era uma pessoa de princípios, solidária, que deixa uma grande saudade entre os seus colaboradores e amigos”, afirmou.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) publicou uma nota de pesar. “O Conselho de Administração da CMVM assinala com profundo pesar o desaparecimento do Dr. António Vieira Monteiro, destacando a sua notável carreira dedicada ao desenvolvimento do sector financeiro nacional e ao serviço do país”, declarou.

João Sàágua, reitor da Universidade Nova de Lisboa, lembrou o presidente do Conselho de Administração do Santander como “um homem que esteve sempre do lado das soluções”, citado num comunicado da Nova. “António Vieira Monteiro tinha um forte sentido de responsabilidade social, tendo estado sempre disponível para apoiar a Universidade Nova de Lisboa”, frisou.

A Universidade recorda que Vieira Monteiro foi, durante oito anos, membro do Conselho de Faculdade da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Nova e era, atualmente, membro do Conselho Geral da NOVA. “Foi também um forte impulsionador do Prémio de Investigação Colaborativa Santander/Nova”.

“Sinto que perdi um cúmplice forte, um amigo”, comentou Isabel Câncio, advogada, líder da I.Câncio Advogados . “Era profundamente conhecedor da alma humana e admirava a força do trabalho e a honestidade. Profundo conhecedor da Banca, conhecia a área do risco de forma exímia. Foi o CEO certo na hora certa na crise 2008.”
(Atualizada às 19H01 com mais informação e retificação do nome do hospital)
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O primeiro-ministro, António Costa (E), ladeado pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira (D), durante o debate parlamentar que antecede a votação do texto final apresentado pela Comissão de Orçamento e Finanças que aprova o Orçamento Suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 03 de julho de 2020. O parlamento deverá aprovar hoje, em votação final global, a proposta de orçamento suplementar, que se destina a responder às consequências económicas e sociais provocadas pela pandemia de covid-19. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Aprovado o Orçamento Suplementar apenas com o voto a favor do PS

A deputada do CDS-PP Cecília Meireles durante o debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2020 . (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Deputados mantêm suspensão da devolução de manuais escolares

Presidente do Santander, Vieira Monteiro, é a segunda vítima mortal do Covid-19