Comissão de Inquérito CGD

PS quer ouvir com “urgência” governador do Banco de Portugal sobre CGD

Fotografia: Rui Coutinho
Fotografia: Rui Coutinho

PS pediu a audição urgente do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, para obter esclarecimentos sobre a CGD

O PS pediu esta terça-feira à noite a audição parlamentar urgente do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, para obter esclarecimentos sobre a Caixa Geral de Depósitos, disse à Lusa deputado socialista João Galamba.

Os deputados do PS da Comissão de Orçamento e Finanças “requereram hoje [terça-feira] a vinda do senhor governador com caráter de urgência para esclarecer a situação da Caixa Geral de Depósitos”, afirmou à Lusa João Galamba.

Segundo o deputado, é “importante” que o governador do Banco de Portugal, “responsável máximo pela estabilidade do setor financeiro e “um dos principais responsáveis pelo segundo pilar do programa de ajustamento da troika que dizia respeito à estabilidade do setor financeiro”, esclareça os “contornos” da recapitalização da Caixa.

Em 2012, o Estado injetou 750 milhões de euros diretamente em ações na Caixa Geral de Depósitos e ainda 900 milhões em instrumentos de capital contingente, dívida pela qual o banco público paga juros anuais.

Para João Galamba, é necessário Carlos Costa explicar as razões pelas quais quatro anos depois de ter sido feito um “levantamento exaustivo da situação” do banco e das necessidades de capital se perceber que o “problema do setor financeiro português não está resolvido e que a Caixa “tem necessidade de capital”.

“É da maior importância que o governador esclareça a situação concreta do banco e o que se passou nestes últimos quatro anos”, afirmou João Galamba.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

PS quer ouvir com “urgência” governador do Banco de Portugal sobre CGD