Futuro da Banca

Quatro maiores bancos nacionais perderam 800 trabalhadores desde janeiro

Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante
Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Maiores bancos portugueses devem perder 1600 pessoas no espaço de um ano

Cerca de 800 trabalhadores saíram este ano de quatro dos principais bancos que operam em Portugal e pelo menos outros tantos deverão sair até final de 2017, segundo contas feitas pela Lusa.

O maior número de saídas, no primeiro semestre, aconteceu no Novo Banco, a instituição criada aquando da resolução do Banco Espírito Santo (BES) e que está em processo de venda aos fundo norte-americano Lone Star.

Entre janeiro e junho, saíram 366 pessoas da operação em Portugal, tendo o Novo Banco fechado o primeiro semestre com 5.706 trabalhadores.

Na Caixa Geral de Depósitos (CGD), desde início do ano e até final de julho saíram cerca de 300 trabalhadores em reformas e pré-reformas. O banco público tinha no final de junho 8.070 empregados em Portugal.

Já no BCP, o maior banco privado português, depois da redução de centenas de pessoas nos últimos anos, o processo de saídas de trabalhadores está mais normalizado.

O banco que tem como principal acionista o grupo chinês Fosun tinha, em junho, 7.303 funcionários em Portugal, apenas menos 30 do que no final de 2016.

Quanto ao BPI, no primeiro semestre reduziu o quadro de pessoal em 119 trabalhadores, tendo chegado a final de junho com 5.406 pessoas.

Contudo, a redução vai intensificar-se uma vez que mais 500 vão sair ao longo deste ano (e alguns ainda no início de 2018), no âmbito do programa de reformas antecipadas e rescisões voluntárias lançado no início deste ano, quando o BPI passou a ser controlado pelo espanhol CaixaBank.

Também na CGD, as saídas vão continuar e em número considerável, uma vez que o plano de reestruturação acordado por Bruxelas implica a saída de 2.000 trabalhadores até 2020.

O presidente executivo do banco público, Paulo Macedo, anunciou esta semana que mais 348 pessoas poderão sair este ano, uma vez que há 248 trabalhadores que pretendem reformar-se ou pré-reformar-se e mais 100 que manifestaram interesse em aderir ao programa de rescisões por mútuo acordo.

Quanto à Caixa Económica Montepio Geral, depois de em 2016 terem saído mais de 400 trabalhadores, no primeiro semestre deste ano até aumentou o quadro de pessoal em quatro pessoas.

Assim, no final de junho, o banco mutualista contava 3.592 empregados.

Nos últimos anos, os bancos têm vindo reduzir consideravelmente as suas estruturas, desde logo com cortes de trabalhadores, com o objetivo de reduzir custos e melhorar resultados.

Em 2016, cerca de 2.000 trabalhadores saíram dos cinco principais bancos a operar em Portugal (CGD, BCP, Santander Totta, Novo Banco e BPI), quase o dobro dos cortes de postos de trabalho feitos em 2015.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve lança campanha. “Fiquem em casa para regressarem com mais saudade”

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Quatro maiores bancos nacionais perderam 800 trabalhadores desde janeiro