Impostos

Revolut: fisco pede ajuda ao Banco de Portugal

Revolut Portugal | Ricardo Macieira

A avaliação que está a ser feita cinge-se apenas à necessidade de ser declarado no IRS o número de conta bancária, não abrangendo os saldos.

A Autoridade Tributária e Aduaneira pediu ao Banco de Portugal um parecer no âmbito da análise que está a fazer à necessidade de serem declaradas as contas detidas em bancos digitais no estrangeiro, apurou o Dinheiro Vivo. Em causa estão as contas de contribuintes portugueses em bancos como a britânica Revolut e o alemão N26.

Ainda não há um prazo para a divulgação da conclusão da análise. Mas o fisco quer garantir que a informação que vai divulgar aos contribuintes é bem fundamentada e clarificadora. A avaliação que está a ser feita cinge-se apenas à necessidade de ser declarado no IRS o número de conta bancária, não abrangendo os saldos.

A Revolut e o N26 tornaram-se populares entre viajantes e consumidores digitais, pela facilidade de utilização em pagamentos e transferências e por não cobrarem comissões. Mas milhares de portugueses já usam a sua conta Revolut para receber o salário mensalmente, segundo a empresa britânica. No caso da Revolut, com o advento do brexit, as contas dos seus clientes residentes em países da União Europeia estão a ser transferidas do Reino Unido para a Lituânia. Certo é que tanto no N26 como na Revolut cada cliente tem o seu IBAN/BIC único.

A lei geral tributária é clara. Os contribuintes são obrigados a declarar no IRS a existências de contas de depósitos ou títulos detidos no estrangeiro. A declaração é feita com o preenchimento do quadro 11 do anexo J do modelo 3. Com o prazo de entrega do IRS de 2018 já a decorrer, vários portugueses clientes da Revolut expressaram ter dúvidas sobre se tinham ou não de declarar a sua conta no anexo J. No dia 3 de abril, as Finanças confirmaram ao Dinheiro Vivo que a conta na Revolut tem de ser declarada, mas no dia 6 a Autoridade Tributária informou que iria analisar o tema.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

Revolut: fisco pede ajuda ao Banco de Portugal